Síndico profissional: o que é, como trabalha e quanto ganha?

Você sabia que no Brasil pelo menos 240 mil pessoas vivem em condomínios? Só em São Paulo, é uma em cada três pessoas. Estima-se que circula entre os condomínios cerca de 150 bilhões de reais por ano. E você sabia que todo condomínio precisa ter obrigatoriamente um síndico? Então, é só fazer os cálculos para perceber que essa é uma profissão com muito potencial de crescimento. 

O salário de um Síndico Profissional é pago a partir das taxas condominiais, que é aquela contribuição mensal dos moradores. Essa contribuição é obrigatória. Quem possui um imóvel em condomínio ou aluga um precisa pagar a taxa. Então, podemos dizer que esse é uma profissão, de certa forma, a prova de crises. Pois a necessidade do síndico e os recursos que pagam seu salário são obrigações previstas em lei.

Além disso, essa é uma profissão que não exige necessariamente o trabalho 8 horas por dia, 40 horas por semana. É comum encontrarmos Síndicos Profissionais trabalhando em mais de um condomínio, sem precisar sair de casa todos os dias. É porque a profissão proporciona flexibilidade.

Com tudo isso, é difícil não se interessar pela profissão, certo? Mas você sabe quanto esse profissional ganha? E como alguém se torna um Síndico Profissional?

Aqui, vamos solucionar essas dúvidas e também mostrar quais condomínios precisam dele.

O que é um síndico profissional?

O que faz um síndico profissional?

O que é preciso para ser um síndico profissional?

Qual é o salário de um síndico profissional?

Quem pode ser um síndico profissional?

Qual a importância do síndico profissional?

Por que contratar sindico profissional para o seu condomínio?

Síndico profissional é a profissão do futuro

 

O que é um síndico profissional?

O Síndico, você já conhece, é aquele que gere um condomínio. Você provavelmente está acostumado em ver síndicos-moradores, que são aqueles que gerenciam os prédios onde vivem. Você talvez até tenha pensado que o síndico tem que ser obrigatoriamente um morador. Se esse for o caso, você está enganado.

A lei brasileira permite que o síndico seja alguém de fora. Assim surge o Síndico Profissional. Ele não precisa necessariamente viver no condomínio, mas ao contrário da maioria dos síndicos-moradores, ele foi treinado para exercer aquela atividade, a partir de todo o conhecimento necessário, que envolve questões jurídicas, técnicas, de gestão de pessoas, etc.

 

O que faz um síndico profissional?

Quando um condomínio contrata um Síndico Profissional, ele espera que uma série de tarefas sejam executadas. A lei também define algumas obrigações do trabalho do Síndico. Algumas tarefas acontecem em todos os condomínios, outras vão depender da configuração daquele condomínio. Antes de citar as obrigações, vamos imaginar como é um dia típico na vida do Síndico Profissional? 

A rotina dele se divide entre visitas e planejamento. As visitas ao condomínio costumam ocorrer semanalmente, conforme o acordo feito na contratação. Nesse momento, o Síndico Profissional vai conversar com a equipe do condomínio, talvez com alguns moradores também, visitando os espaços e entrando em contato com a realidade do condomínio. Já os momentos de planejamento são feitos no escritório ou na casa do profissional. É quando ele procura soluções para os problemas que surgirem e pensa em melhorias para a comunidade. 

Com a tecnologia, muito desse trabalho é feito remotamente. É comum encontrarmos síndicos com mais de um condomínio. Eles conseguem trabalhar assim porque não precisa estar sempre lá, nas dependências do condomínio. O contato com a equipe, os moradores e os fornecedores pode acontecer em qualquer lugar. As visitas geralmente acontece somente em alguns casos. Isso garante flexibilidade ao Síndico Profissional, que pode ajustar o trabalho de acordo com a sua agenda.

Agora que já visualizamos a rotina do Síndico Profissional, vamos ver o que os deveres dessa função:

A prática é totalmente legal e começou a se popularizar após a chegada do Novo Código Civil, em 2002. Com isso, o Art. 1.347 (Lei Federal 10.406/02) permite a contratação de um síndico profissional:

“A Assembleia poderá escolher um síndico, não condômino, para administrar o condomínio, por prazo não superior a dois anos, o qual poderá renovar-se”.

 

O que é preciso para ser um síndico profissional?

Essa é uma pergunta bastante comum. Muitos querem ingressar na profissão, mas para isso é preciso ter o conhecimento necessário para atuar em condomínios. Aqui vai uma lista das habilidades necessárias ao Síndico Profissional:

  • Inteligência emocional para lidar com crises e promover uma resolução de conflitos;
  • Conhecimento em áreas como administração, contabilidade, finanças, recursos humanos, direito, entre outras;
  • Boa comunicação para cultivar o bom relacionamento com condôminos e funcionários;
  • Organização para gerir mais de um condomínio ao mesmo tempo;
  • Ter disciplina para trabalhar de forma autônoma e independente.

E onde alguém consegue adquirir todos esses conhecimentos? Existem cursos e certificações que buscam formar Síndicos Profissionais de qualidade e posicioná-los no mercado. A lei brasileira não exige que o síndico tenha concluído um curso específico, por exemplo. Mas o mercado sabe que síndicos de qualidade são aqueles com bastante conhecimento. E esses cursos e certificações garantem isso. Garantem que o síndico esteja preparado para seu trabalho.

 

Qual é o salário de um síndico profissional?

O valor é definido a partir de uma negociação do contratante, no caso, o condomínio. Por isso, não existe um valor fixo pelo trabalho do síndico. A profissão não é regulamentada, então não existe um piso ou um teto salarial. O que existem são alguns aspectos levados em consideração pelo síndico na hora de propor seu salário:

  • Número de unidades do condomínio;
  • Número de visitas por semana ao condomínio;
  • Quantidade de áreas comuns e de lazer;
  • Tamanho da equipe de funcionários;
  • Valor da taxa condominial do condomínio

No final, um síndico ganha em média entre R$ 1.500,00 e 4 mil reais por mês. Dependendo do condomínio, esse valor pode aumentar bastante. Lembrando que o síndico não precisa estar no condomínio todo dia, durante oito horas. Muitos síndicos atuam em mais de um condomínio ao mesmo tempo, as vezes 30! E mantendo a qualidade. Ou seja, o tempo que ele precisará dedicar ao trabalho vai ser definido no contrato com o condomínio.

Certificação Síndico TownSq

 

Quem pode ser um síndico profissional?

Síndicos profissionais são pessoas capacitadas e qualificadas para atender as demandas de um condomínio. Devem ter força de vontade, estar sempre em busca de novas formas de melhorar a administração do empreendimento e deixar a vida dos moradores ainda mais agradável.

O síndico profissional deve ter algumas habilidades e características específicas, como:

  • Saber lidar com pessoas e manter um bom relacionamento com moradores e funcionários;
  • Ter empatia e calma na hora de gerenciar crises e apaziguar conflitos;
  • Possuir afinidade com áreas do conhecimento como administração, contabilidade, direito, recursos humanos e finanças;
  • Ser organizado e disciplinado para saber trabalhar de forma autônoma e independente.

Entretanto, existem algumas pessoas que não podem assumir o papel de síndico. Diretores de faculdades e colégios, magistrados, assim como grão mestres da Maçonaria não podem ser eleitos síndicos – tanto como profissional, quanto como moradores.

Muitos síndicos profissionais iniciam a carreira após atuar como síndico dos condomínios em que moram e acabam pegando gosto pela atividade. Afinal, por que não ganhar dinheiro com algo que você é bom e gosta de fazer?

Nem sempre o síndico profissional precisa de dedicação exclusiva à função. É possível conciliar as tarefas da gestão do condomínio com carreiras que seguem horários flexíveis, com o horário comercial livre. Desta forma, a atividade como síndico pode funcionar como uma fonte de renda extra.

Não existe uma faculdade ou certificação básica para ser um síndico profissional, pois a profissão de síndico ainda não é regulamentada. No entanto, algumas instituições oferecem cursos de capacitação para quem tem interesse em atuar na área, como o Melhor Síndico.

Leia mais:

Atividades do síndico: como trabalhar melhor e ter mais tempo livre

Como saber que a comunicação do síndico está ruim?

Salário de Síndico? Lei, Tributação e Obrigações do Condomínio

 

Qual a importância do síndico profissional?

O síndico profissional supre um problema que aflige milhares de condomínios Brasil à fora: moradores que não têm tempo, conhecimento ou até mesmo interesse de atuar como síndico.

Pense na seguinte situação, quem você escolheria para cuidar do seu negócio: uma pessoa que aceitou a tarefa por obrigação e/ou pressão dos colegas ou um profissional que estudou gestão, administração e liderança, e ainda traz consigo uma bagagem de experiências no setor?

Quando um condomínio não tem moradores motivados e/ou qualificados para atuar como síndico, vale mais a pena deixar a responsabilidade nas mãos de alguém treinado e de confiança. Nesses casos, vale a pena para o condomínio contratar um síndico profissional.

Por não ter vínculo de moradia ou propriedade com o condomínio, o síndico profissional provavelmente será mais objetivo na hora de tomar decisões. Também fica mais cômodo para os condôminos tirarem dúvidas, fazerem cobranças ou críticas, sem o medo de criar um clima ruim no dia a dia do condomínio.

sindico profissional

 

Por que contratar sindico profissional para o seu condomínio?

Como citado, a manutenção de um condomínio é um verdadeiro desafio e nem sempre os moradores estão dispostos a exercer esse importante papel. Por isso, contratar um síndico profissional para o seu condomínio pode ser uma tarefa importante.  Separamos os principais motivos para essa contratação. 

1. Qualificação

Os condomínios têm se tornado  complexos e com demandas cada vez maiores, por isso, o primeiro benefício de um síndico profissional para o seu condomínio é a qualificação desse profissional.

O Síndico Profissional é um trabalhador que se especializou e qualificou para gerenciar condomínios. Sua área de especialização vai desde gestão financeira, pessoas e administração. Ou seja, seu condomínio vai contar com um profissional altamente capacitado para realizar todas as demandas e necessidades dos moradores.

2. Disponibilidade

O síndico morador pode até ser uma pessoa muito voluntariosa, que dedica o seu tempo livre para organizar o condomínio. Mas na maioria das vezes, essa pessoa já conta com outro emprego e não consegue se dedicar inteiramente ao prédio.

Diferente do síndico profissional, cuja função é dedicada e exclusiva para a rotina do condomínio. Ele está disponível em tempo integral para resolver os problemas, fiscalizar obras, montar o planejamento do condomínio, cuidar da saúde financeira e ouvir as necessidades dos moradores.

3. Ferramentas

Por se tratar de um especialista em gestão de condomínios, o síndico profissional tem à seu dispor as melhores ferramentas de gestão e acompanhamento do condomínio. Ele conta com ferramentas e processos que fazem o seu trabalho ser mais rápido e produtivo.

Normalmente, em seu arsenal de ferramentas ele conta com aplicativos para comunicação com os moradores, softwares de gestão financeira, e planilhas de acompanhamento do dia a dia do prédio.

4. Gestão de pessoas e conflitos

Outra vantagem de contar com um profissional para gerir o condomínio é que ele é especialista em resolver e mediar conflitos entre os moradores. Esse profissional conhece as melhores técnicas para resolver problemas e está sempre procurando que o desejo de todos os moradores seja atendido.

5. Transparência na gestão

Um dos maiores benefícios de contratar um síndico profissional é a transparência nas contas e ações do condomínio.

Uma das principais responsabilidades desse profissional é realizar uma gestão transparente e que preze pelo bem da saúde financeira do prédio em primeiro lugar. Por isso, ele procura sempre manter todos os moradores cientes da situação financeira do condomínio e realiza ações e investimentos planejados.

Um plus que muitos profissionais têm buscado para sua gestão é oferecer ainda mais transparência nas contas do condomínio através de uma administradora digital. Esse modelo de administradora oferece acesso às contas e situação financeira para todos os moradores, que podem acompanhar digitalmente todas as movimentações, facilitando a vida de todos.

6. Planejamento

E por fim, uma das responsabilidades do síndico é realizar o planejamento do condomínio. É ele o responsável por listar as demandas e necessidades dos moradores, elencar prioridades, criar um plano de ação, definir prazos e acompanhar o andamento das atividades.

Quando seu condomínio conta com um síndico profissional, garante que uma pessoa altamente qualificada e especialista elabore esse planejamento. Isso é extremamente importante para que todas as demandas sejam priorizadas de maneira correta e o andamento dos projetos seja acompanhado de perto.

Ainda não tem um síndico profissional no seu condomínio e precisa realizar o controle financeiro? Baixe nosso Modelo de Prestação de Contas do Condomínio e garanta um ótima gestão financeira!

por que contratar sindico profissional

 

Síndico profissional é a profissão do futuro

Vivemos em um mundo onde há cada vez menos espaços disponíveis nos centros urbanos. Com isso, as construtoras e a população têm apostado ainda mais na vida em condomínio.

Não existem dados oficiais sobre o número de condomínios no Brasil, mas um dado aproximado, de acordo com o Censo Demográfico de 2010, podemos estimar que existem cerca de 240 mil condomínios edilícios verticais (de prédios) no Brasil.

Só na cidade de São Paulo, é calculado que uma entre três pessoas viva em um desses conjuntos habitacionais. Esse número deve apenas aumentar a cada ano que passa. E cada um desses empreendimentos precisa obrigatoriamente de um síndico.

Com o crescimento da população que vive em condomínios, se torna cada vez mais urgente a existência de pessoas qualificadas para exercer a profissão de síndico.

O aumento do desemprego no país também influencia essa necessidade de se reinventar profissionalmente – e sai na frente quem está disposto a inovar. A incerteza do mercado de trabalho se une à liberdade para explorar novas áreas de atuação, e por que não como síndico profissional?

 

Scroll Up