O síndico profissional precisa ter registro no CRA? Entenda tudo sobre isso

O síndico profissional precisa ter registro no CRA? Entenda tudo sobre isso

A profissão de administrador é regulamentada no Brasil e exige o registro no CRA, o Conselho Regional de Administração. 

Neste caso, todos os cargos, empresas e profissionais ligados às áreas da administração somente podem exercer as suas funções quando estiverem devidamente registrados. 

No entanto, alguns síndicos profissionais estão sendo multados pelo órgão por falta de registro, gerando a dúvida: o síndico profissional precisa ter registro no CRA? 

A questão está gerando dor de cabeça para alguns profissionais da gestão condominial, por isso neste post você vai entender o que é o CRA, quem deve se registrar no órgão e como o síndico deve proceder nesta situação. Continue lendo!

O que é o CRA?

O Conselho Regional de Administração, conhecido como CRA, desempenha um papel crucial como órgão consultivo e orientador no monitoramento da prática profissional dos administradores. 

A sua função primordial é preservar os direitos desses profissionais, assegurando o cumprimento da legislação vigente. 

Além disso, o CRA presta orientações essenciais tanto para profissionais quanto para empresas, visando regularização, e realiza autuações em casos de descumprimento das normas legais. 

Para atuar na categoria, os profissionais de administração precisam se registrar no Conselho Regional de Administração da sua referida cidade. 

Quais atividades precisam de registro no CRA?

Obrigatoriamente, todas as empresas, escritórios e profissionais que exploram atividades de administração precisam estar registradas no CRA. 

Por exemplo: 

  • Empresa de consultoria em áreas administrativas; 
  • Profissional de administração; 
  • Agências de empregos; 
  • Administradoras de condomínios; 
  • Administradoras de bens e valores; 
  • Concessionárias de crédito; 
  • Empresas de locação de mão de obra; 
  • Cooperativas de trabalho; 
  • Factoring; 
  • Holding; 
  • Empresas de pesquisa de mercado. 

Síndico profissional precisa ter registro no CRA?

De acordo com a coordenadora da área de Fiscalização do CRA-SP, Admª. Ana Paula de Souza Lima Martins, embora a fiscalização não tenha como foco principal os síndicos profissionais, há processos em aberto relacionados a eles. 

O principal equívoco ocorre quando estes profissionais atuam como pessoas jurídicas, e a descrição do objeto social da empresa não reflete adequadamente as atividades desempenhadas pelo profissional. 

Muitas vezes, a redação do objeto social inclui a administração de condomínios, quando, na prática, isso não corresponde ao trabalho realizado. 

A importância de uma descrição correta do objeto social reside na base documental e constitutiva que embasa o trabalho de fiscalização do CRA-SP. 

Se a empresa indica atividades ligadas à administração em seu campo de atuação, é uma obrigação legal do Conselho verificar essa conformidade. 

Segundo o Adm. Marcelo Torres, gerente da área de Desenvolvimento do CRA-SP, o objetivo não é aplicar multas com fins arrecadatórios, mas sim identificar organizações que prestam serviços na área para garantir que contem com profissionais qualificados, destacou o Adm. 

É importante destacar que, de acordo com um acórdão normatizado pelo Conselho Federal de Administração (CFA), empresas que praticam gestão administrativa, financeira e de recursos humanos, incluindo síndicos profissionais, estão sujeitas às ações do CRA. 

Este ponto é avaliado pela fiscalização, pois todas essas atividades pertencem a uma profissão regulamentada. 

Para facilitar a vida dos síndicos profissionais na hora de criar o objeto social da pessoa jurídica, uma dica prática é escrever exatamente aquilo para o qual a empresa foi criada. 

Se houver uma expansão das atividades no futuro, como a administração condominial, basta regularizar o objeto e ampliar a atuação. Essa abordagem simples pode evitar complicações futuras e garantir uma atuação em conformidade com as normativas profissionais. 

Neste caso, verifique a descrição da sua atividade e, caso envolva administração de condomínios, então o registro no CRA é obrigatório. 

Aproveite para ler também: A verdade que ninguém nunca contou a você sobre a vida de síndico profissional 

Como fazer registro no CRA? Veja o passo a passo 

Para fazer o registro no CRA, você precisa: 

  • Procurar uma unidade do CRA da sua região; 
  • Levar a documentação exigida; 
  • Fazer o pagamento da taxa de inscrição e anuidade; 
  • Finalizar o processo de registro. 

A documentação necessária consiste em: 

  • Requerimento de Inscrição de Pessoa Física; 
  • Diploma (caso o diploma ainda não tenha sido confeccionado, entregar declaração de conclusão de curso e histórico); 
  • Carteira de identidade; 
  • CPF; 
  • Título de eleitor e comprovantes de votação; 
  • Certificado de reservista; 
  • Foto 3×4; 
  • Pagamento da Taxa de Inscrição; 
  • Pagamento da Taxa de Carteira; 
  • Pagamento de Anuidade. 

Estes são documentos básicos, no entanto verifique com o CRA da sua região se existe alguma exigência diferente. 

Este conteúdo foi útil? Vá além e veja também o guia completo do síndico profissional que criamos especificamente para você. Boa leitura! 

Liderança para síndicos: guia completo para se tornar um líder de sucesso

Liderança para síndicos: guia completo para se tornar um líder de sucesso

No vasto oceano da gestão condominial, a liderança do síndico emerge como a bússola que direciona os destinos, promovendo a harmonia e a convivência pacífica entre os moradores. 

Ser síndico transcende a mera administração; é uma jornada de liderança, na qual habilidades gerenciais, comunicação eficaz e resolução de conflitos se convergem. 

Se você é um síndico em busca do sucesso em sua empreitada, este guia será seu farol, iluminando os caminhos desafiadores da liderança condominial. 

Prepare-se para explorar os princípios fundamentais, estratégias infalíveis e dicas práticas que o capacitarão a se tornar um líder capaz de conduzir seu condomínio a novos patamares de convivência harmoniosa e eficiente. Continue lendo! 

Qual o conceito de liderança? 

A liderança não é apenas sobre ter um título pomposo ou ocupar o topo da cadeia de comando. 

É, em sua essência, a capacidade de influenciar, inspirar e guiar os outros em direção a objetivos comuns. 

A liderança vai além de simplesmente dar ordens; trata-se de motivar, cultivar talentos e construir um ambiente propício ao crescimento coletivo. 

Líder X Chefe: quais são as diferenças? 

No universo corporativo, os termos “líder” e “chefe” são frequentemente usados de forma intercambiável, mas a verdade é que representam papéis distintos. 

Compreender as diferenças fundamentais entre um líder e um chefe é crucial para o desenvolvimento de ambientes de trabalho saudáveis e eficazes. 

Vamos explorar essas distinções e destacar porque ser um líder vai muito além de simplesmente ter autoridade. 

Visão de longo prazo vs. Foco imediato 

Um líder é movido por uma visão de longo prazo. Ele não está apenas preocupado com as tarefas diárias, mas também com o panorama geral e o futuro da equipe ou organização.  

Em contraste, um chefe muitas vezes se concentra em atingir metas imediatas, sem necessariamente considerar como essas ações se alinham a objetivos mais amplos. 

Inspiração vs. Controle 

Líderes inspiram; chefes controlam. 

Enquanto um líder motiva sua equipe, estimula a criatividade e promove um ambiente de confiança, um chefe pode depender mais da autoridade e do controle para gerenciar seus subordinados. 

A inspiração cria um comprometimento intrínseco, enquanto o controle pode resultar em conformidade superficial. 

Desenvolvimento pessoal vs. Cumprimento de tarefas 

Líderes se preocupam com o desenvolvimento pessoal de seus liderados. Eles investem no crescimento profissional e pessoal da equipe, reconhecendo que isso não apenas beneficia o indivíduo, mas também a organização como um todo. 

Por outro lado, chefes muitas vezes estão mais focados na execução de tarefas e podem negligenciar o desenvolvimento individual.

Leia também: Gestão de pessoas: como garantir a harmonia e desempenho dos colaboradores do condomínio?

Compartilhamento de responsabilidade vs. Atribuição de culpa 

Líderes compartilham responsabilidades. Em um ambiente liderado por um líder eficaz, os sucessos são comemorados coletivamente, e as falhas são encaradas como oportunidades de aprendizado. 

Chefes, por vezes, tendem a atribuir culpa quando as coisas não vão conforme o planejado, criando um clima de medo e evitando a responsabilidade compartilhada. 

Relacionamento vs. Transação 

Líderes constroem relacionamentos duradouros. Eles se envolvem com suas equipes, entendem suas necessidades e criam um ambiente de trabalho onde as pessoas se sentem valorizadas. 

Chefes muitas vezes focam em transações – trocas de trabalho por remuneração – sem investir na construção de vínculos significativos. 

Quais são os princípios de um líder? 

A liderança não é apenas um título; é um conjunto de princípios que orienta a maneira como alguém influencia e inspira os outros. Ser um líder eficaz vai além de simplesmente dar ordens; envolve adotar uma abordagem fundamentada em valores sólidos.

Vamos explorar alguns princípios essenciais que definem os verdadeiros líderes e os distinguem na vasta paisagem do mundo corporativo. 

Integridade 

A integridade é a pedra angular de qualquer líder genuíno. Manter a honestidade e a transparência em todas as interações constrói confiança, elemento crucial para o sucesso de uma equipe.

Um líder íntegro não apenas pratica o que prega, mas também demonstra consistência em suas ações e valores. 

Empatia 

Compreender as emoções e necessidades dos outros é uma qualidade inestimável em um líder. A empatia cria laços significativos, promove um ambiente de trabalho positivo e fortalece a coesão da equipe.

Um líder empático não apenas escuta atentamente, mas também se preocupa com o bem-estar de seus liderados. 

Visão Clara 

Líderes visionários possuem uma clareza inabalável sobre o futuro. Ter uma visão definida e comunicá-la de forma inspiradora motiva a equipe e orienta esforços na direção certa.

A visão proporciona um propósito compartilhado, um farol que guia a equipe mesmo nos momentos mais desafiadores. 

Coragem 

A coragem é essencial para enfrentar adversidades e tomar decisões difíceis. Líderes corajosos não temem o desconhecido; em vez disso, veem desafios como oportunidades para crescimento.

Essa coragem impulsiona a inovação, a resolução de problemas e a superação de obstáculos. 

Desenvolvimento da Equipe 

Investir no crescimento e desenvolvimento da equipe é um princípio crucial. Líderes eficazes reconhecem que o sucesso da equipe está intrinsecamente ligado ao desenvolvimento individual de cada membro.

Facilitar oportunidades de aprendizado e encorajar a autenticidade promove um ambiente onde as habilidades florescem. 

Responsabilidade e Prestação de Contas 

Líderes responsáveis assumem a responsabilidade por suas ações e decisões. Além disso, promovem uma cultura de prestação de contas, onde cada membro da equipe se compromete com os objetivos comuns.

A responsabilidade cria uma atmosfera de confiança e responsabilidade compartilhada. 

Comunicação Eficaz 

A comunicação clara e eficaz é um pilar da liderança. Líderes habilidosos transmitem informações de maneira compreensível, ouvem atentamente e adaptam sua comunicação de acordo com o público.

A transparência na comunicação constrói confiança e evita mal-entendidos. 

Quais são os tipos de liderança? 

Existem vários tipos de liderança, cada um com suas características distintas. As abordagens de liderança variam de acordo com o estilo do líder, as circunstâncias e as necessidades da equipe. Abaixo estão alguns dos principais tipos de liderança: 

Liderança Autocrática 

Neste estilo, o líder toma decisões de forma independente, com pouca ou nenhuma participação da equipe.

Esse tipo de liderança é eficaz em situações de emergência ou quando a autoridade decisória rápida é necessária. No entanto, pode resultar em falta de motivação e engajamento da equipe. 

Liderança Democrática 

A liderança democrática envolve a participação ativa da equipe nas decisões. O líder incentiva a colaboração, ouve as opiniões da equipe e toma decisões com base no consenso.

Esse estilo promove um ambiente de trabalho participativo e pode levar a soluções mais inovadoras, mas pode ser mais demorado. 

Liderança Transformacional 

Os líderes transformacionais inspiram e motivam sua equipe, buscando transformar as crenças e valores dos membros. Eles geralmente têm uma visão inspiradora e incentivam o desenvolvimento pessoal dos liderados.

Esse estilo de liderança é eficaz para impulsionar mudanças significativas e criar equipes altamente motivadas. 

Liderança Transacional 

A liderança transacional é baseada em transações ou trocas entre líder e seguidores. Os líderes transacionais recompensam o desempenho positivo e punem o desempenho negativo.

Este estilo de liderança é mais orientado para resultados imediatos e pode ser eficaz em ambientes onde as metas são claras e os procedimentos bem estabelecidos. 

Liderança Carismática 

Os líderes carismáticos cativam e inspiram sua equipe por meio de suas personalidades magnéticas e visões cativantes. Eles têm a capacidade de criar uma atmosfera entusiástica e envolvente.

No entanto, a liderança carismática também pode ser arriscada, pois pode depender excessivamente da personalidade do líder. 

Liderança Situacional 

A liderança situacional envolve a adaptação do estilo de liderança de acordo com a situação específica.

O líder avalia as necessidades da equipe e ajusta sua abordagem, podendo alternar entre estilos autocráticos, democráticos ou outros conforme apropriado. 

Liderança Laissez-Faire 

Nesse estilo, o líder delega grande parte da responsabilidade à equipe, proporcionando autonomia e liberdade para tomar decisões.

Embora isso possa incentivar a criatividade e a inovação, pode levar à falta de direção e coordenação se não for gerenciado adequadamente. 

Cada tipo de liderança tem suas vantagens e desvantagens, e o líder eficaz muitas vezes adapta seu estilo conforme a situação e as necessidades específicas da equipe.

O sucesso da liderança está na capacidade de ser flexível e aplicar abordagens que melhor se alinhem aos objetivos e à dinâmica da equipe. 

Qual a importância da liderança para a gestão condominial? 

A liderança desempenha um papel crucial na gestão condominial, influenciando diretamente a eficiência operacional, a satisfação dos moradores e o bem-estar da comunidade como um todo.

Aqui estão algumas razões pelas quais a liderança é fundamental para o sucesso da gestão condominial: 

Tomada de Decisões Estratégicas 

Um líder eficaz é capaz de tomar decisões estratégicas que beneficiam a comunidade como um todo.

Isso inclui escolhas relacionadas a melhorias nas instalações, orçamento, segurança e outras questões críticas para o bem-estar do condomínio. 

Comunicação Clara e Transparente 

Líderes competentes garantem uma comunicação clara e transparente entre a administração do condomínio, os funcionários e os moradores.

Isso ajuda a evitar mal-entendidos, promover a confiança e manter todos informados sobre decisões importantes. 

Resolução de Conflitos 

Conflitos entre moradores, questões financeiras e disputas relacionadas à manutenção são comuns em condomínios.

Líderes eficazes são habilidosos na resolução de conflitos, promovendo um ambiente harmonioso e assegurando que as questões sejam abordadas de maneira justa e eficiente. 

Gestão Financeira Eficiente 

A liderança desempenha um papel fundamental na gestão financeira do condomínio, supervisionando orçamentos, despesas e a alocação de recursos.

Um líder experiente contribui para a estabilidade financeira e evita problemas como a inadimplência. 

Manutenção Adequada 

A manutenção adequada das instalações é essencial para a valorização do patrimônio e a satisfação dos moradores.

Um líder eficaz trabalha em conjunto com equipes de manutenção para garantir que as áreas comuns, elevadores, instalações esportivas, entre outros, estejam sempre em boas condições. 

Segurança e Bem-Estar 

Líderes na gestão condominial têm a responsabilidade de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores.

Isso envolve a implementação de medidas de segurança, a supervisão de equipes de vigilância, a manutenção de políticas claras e a promoção de um ambiente onde os residentes se sintam seguros. 

Promoção da Comunidade 

Um líder eficaz trabalha para criar um senso de comunidade dentro do condomínio.

Isso pode incluir a organização de eventos sociais, a criação de espaços de convívio e a promoção de uma atmosfera amigável que contribua para a qualidade de vida dos moradores. 

Cumprimento de Regulamentos e Leis 

Líderes na gestão condominial devem estar cientes e garantir o cumprimento de regulamentos e leis aplicáveis. Isso inclui questões legais, regulamentações de segurança e normas condominiais, evitando assim problemas jurídicos e garantindo a conformidade. 

Em resumo, uma liderança sólida na gestão condominial é essencial para criar um ambiente funcional, harmonioso e agradável para os moradores, além de garantir a valorização do patrimônio e a eficiência operacional do condomínio. 

10 passos para se tornar um síndico líder

Compreensão profunda das responsabilidades 

Antes de assumir o cargo, dedique tempo para uma compreensão aprofundada das responsabilidades legais e operacionais do síndico. Isso inclui a familiarização com as leis condominiais locais, regulamentos internos e obrigações financeiras que regem o condomínio. 

Estabelecimento de comunicação clara e aberta 

Desenvolva canais de comunicação claros e abertos com os moradores. Utilize boletins informativos, reuniões regulares e plataformas online para manter todos informados sobre questões relevantes e decisões importantes. A transparência na comunicação é essencial para construir confiança. 

Promoção da transparência em ações e decisões 

Seja transparente em suas ações e decisões. A transparência constrói confiança entre os moradores, mostrando um síndico que compartilha informações relevantes sobre finanças, projetos de manutenção e outras decisões importantes para a comunidade. 

Desenvolvimento de habilidades de resolução de conflitos 

Conflitos são inevitáveis em comunidades condominiais. Desenvolva habilidades para lidar com disputas de forma justa e imparcial, promovendo um ambiente de convivência pacífico. Uma gestão eficaz de conflitos contribui para a harmonia no condomínio. 

Estabelecimento de metas claras 

Defina metas claras para o condomínio e compartilhe-as com os moradores. Metas específicas motivam a comunidade a trabalhar em direção a objetivos comuns, seja melhorias nas instalações, atualizações de segurança ou redução de custos. 

Promoção da sustentabilidade e práticas conscientes 

Introduza práticas sustentáveis sempre que possível. Isso pode incluir iniciativas de reciclagem, eficiência energética e uso consciente dos recursos. A promoção da sustentabilidade demonstra preocupação com o meio ambiente e a busca por economia a longo prazo. 

Gestão financeira eficiente e transparente 

Mantenha uma gestão financeira sólida. Elabore orçamentos claros, seja transparente nas despesas, negocie contratos de forma eficaz e busque maneiras de otimizar os custos sem comprometer a qualidade dos serviços. Uma gestão financeira eficiente contribui para a estabilidade do condomínio. 

Lembre-se de que cada passo é crucial para a construção de uma gestão condominial eficaz e para a criação de um ambiente onde os moradores se sintam valorizados e bem atendidos.

Continue lendo no blog da TownSq e veja também a verdade que ninguém nunca contou a você sobre a vida de síndico profissional. Boa leitura!

A verdade que ninguém nunca contou a você sobre a vida de síndico profissional

A verdade que ninguém nunca contou a você sobre a vida de síndico profissional

A vida de síndico profissional é um sonho de muitos para poucos. 

Promessas de ganhar dinheiro fácil são vendidas na internet, enganando muitas pessoas. 

Os falsos influenciadores e gurus criam histórias de como faturam mais de 5 dígitos por mês, mostrando carros, viagens e imagens de luxo. 

Até esse ponto, é possível acreditar, mas o problema aparece quando eles dizem que se tornar um síndico profissional e ganhar muito dinheiro é fácil, rápido e que qualquer um consegue com pouco esforço. 

Se você também já está cheio dessas ilusões, este artigo vai te mostrar exatamente o que você precisa saber sobre a vida de síndico profissional. 

A verdade. Nua e crua. 

Lembre-se de que não existe dinheiro fácil. Não existe sucesso da noite para o dia. 

Se tornar um síndico profissional de sucesso dá trabalho. 

Você quer entender mais? Continue lendo. 

Verdade 1: 90% dos síndicos vão falhar por causa disso 

Este é o ciclo do síndico fracassado: 

  1. Ele se torna síndico por acaso e tem a sua primeira experiência equilibrando um emprego formal de dia e a vida de síndico à noite; 
  2. A empolgação inicial surge, ele acredita que vai resolver todos os problemas do condomínio e que tem todas as soluções; 
  3. A primeira reunião de assembleia decepciona. Há pouca participação, os condôminos estão mais interessados em assistir novela; 
  4. Ele propõe inovações e tecnologias, mas os condôminos desconfiados não aderem; 
  5. O síndico enfrenta burocracia em projetos simples, falha em mediar conflitos e as finanças desequilibram. 

O tempo passa e o síndico se torna parte do problema… 

Então, ele finalmente desiste. 

No final das contas, o síndico acredita que a culpa é dos condôminos e não dele. 

Se ganhar dinheiro como síndico fosse fácil, todo mundo estaria rico. 

O problema é que a maioria dos síndicos querem se tornar profissionais de sucesso sem esforço, sem pensar, sem estudar. 

Eles acreditam que têm todas as respostas 

Eles não acham que alguém é capaz de ensiná-los qualquer coisa. 

Qual a dificuldade em gerenciar um condomínio, afinal? 

Mas, no final das contas, quando o fracasso chega, ele é incapaz de culpar a si mesmo e buscar uma solução. 

E acaba se tornando um síndico medíocre. 

A verdade é que é preciso trabalhar muito para conseguir se tornar um síndico profissional de sucesso. 

E esse sucesso não surge do nada. 

É preciso saber: 

Sem aprender os pilares necessários, muitos irão fracassar. 

Verdade 2: Se não tiver cuidado, você se tornará um escravo da rotina 

Se você já é síndico, então sabe do que estamos falando. 

Entre os desafios e as responsabilidades, há uma armadilha silenciosa que engole os síndicos: a rotina. 

Iniciar a gestão condominial com entusiasmo e ideias inovadoras é comum. 

No entanto, com o tempo, muitos síndicos se veem presos em uma rotina entediante e exaustiva. 

As demandas diárias, como lidar com fornecedores, solucionar conflitos entre moradores e monitorar a manutenção, podem rapidamente se transformar em uma teia tediosa. 

O síndico, inicialmente investido de autoridade e visão, torna-se, gradualmente, um mero executor de tarefas repetitivas. 

As decisões importantes cedem lugar a uma abordagem reativa, onde o foco é mantido apenas no urgente, deixando o que é importante em segundo plano. 

A rotina transforma o síndico em um escravo do cotidiano, perdendo a capacidade de pensar estrategicamente. 

Com a perda do ímpeto inicial, o síndico que se torna prisioneiro da rotina enfrenta o risco iminente do fracasso. 

As necessidades do condomínio evoluem constantemente, e a estagnação resultante da rotina pode levar a decisões inadequadas, falta de inovação e, por fim, à insatisfação geral dos moradores. 

A incapacidade de escapar do ciclo monótono impede a implementação de melhorias significativas. 

A comunicação entre os moradores se deteriora, as soluções tornam-se superficiais, e a qualidade de vida no condomínio sofre um declínio constante. 

Mesmo que seja contra a sua vontade, você se torna um escravo da rotina. 

É se atualizar, ou se entregar. 

Verdade 3: Às vezes, você precisa se dedicar um pouco mais 

Na complexa jornada de se tornar um síndico de sucesso, é necessário ir além e se dedicar um pouco mais. 

Gerenciar um condomínio exige mais do que simplesmente cumprir obrigações básicas. 

Há situações em que as demandas ultrapassam a rotina habitual, exigindo uma dose extra de esforço e comprometimento. 

Esses momentos críticos podem envolver desde a resolução de crises inesperadas até a implementação de melhorias significativas. 

Além disso, imprevistos são inevitáveis na administração condominial. 

Seja lidando com problemas estruturais, como vazamentos e falhas elétricas, ou enfrentando desafios relacionados à convivência entre moradores, a dedicação extra é essencial para contornar essas situações de maneira eficaz. 

A capacidade de resposta rápida e eficiente nesses momentos é um diferencial crucial. 

Um síndico comprometido não se contenta apenas em manter o status quo, mas procura constantemente maneiras de aprimorar a qualidade de vida no condomínio. 

Isso pode incluir a implementação de práticas sustentáveis, melhorias em áreas comuns e a busca por soluções que promovam a harmonia entre os moradores. 

E mais: a dedicação extra é vital nas relações interpessoais. 

A habilidade de ouvir atentamente, compreender as preocupações dos moradores e mediar conflitos requer tempo e esforço adicionais. 

Investir nesses aspectos contribui para a construção de uma comunidade condominial saudável e cooperativa. 

O síndico deve ser capaz de discernir quando é necessário intensificar seus esforços e quando é possível manter um ritmo mais regular. 

O excesso de dedicação pode levar à exaustão, voltando ao problema do item 2. 

Verdade 4: Talvez você nunca se torne o próximo síndico milionário 

Vamos ser francos. Apenas uma pequena parcela de síndicos se tornará milionários. 

Isso significa que você deve desistir? 

Claro que não. 

Você não precisa se tornar um milionário para se tornar um síndico profissional de sucesso. 

Com o foco certo, você será capaz de ter uma ótima carreira como síndico e ser feliz com este estilo de vida. 

  • Criando o seu próprio horário de trabalho; 
  • Adaptando os seus serviços para oferecer o melhor aos condomínios; 
  • Trabalhando com inovação e tecnologia, de qualquer lugar; 
  • Fornecendo o melhor aos clientes e colhendo os melhores resultados; 
  • E o melhor: ainda aproveitando o tempo com a família e amigos. 

Portanto, embora alguns destes síndicos nunca se tornem milionários, eles ainda estão felizes. 

Quando você possui uma mentalidade voltada para isso, você se torna o melhor da sua região. 

É isso que você deseja? 

Então, conheça agora a Certificação Premium TownSq e dê o primeiro passo rumo ao seu sucesso profissional.

Basta se inscrever no formulário abaixo, baixar a ementa completa do curso e aguardar o contato dos nossos especialistas:

Dia do síndico: conheça a história por trás da data comemorativa

Dia do síndico: conheça a história por trás da data comemorativa

O Dia do Síndico é comemorado no dia 30 de novembro em todo o Brasil. 

Este dia é mais do que uma simples data no calendário; é uma celebração merecida da dedicação incansável e da liderança essencial que os síndicos oferecem às comunidades condominiais. 

Hoje vamos explorar a história por trás dessa data especial, reconhecendo a importância vital dos síndicos na gestão eficaz dos condomínios. Continue lendo!

Quando comemora o Dia do Síndico? 

Na verdade, o Dia do Síndico é comemorado em diferentes datas, dependendo do estado ou município brasileiro. 

Em todo o Brasil, o dia 30 de novembro foi definido como data oficial nacional, em homenagem ao dia de São André, o padroeiro dos síndicos. 

No Rio de Janeiro, por outro lado, o Dia do Síndico é comemorado em 23 de abril, de acordo com a Lei nº 817, de 20 de dezembro de 1984. 

A história por trás do dia do síndico 

Em 1984, o então governador do Rio de Janeiro, Leonel Brizola, oficializou o Dia do Síndico para homenagear o profissional encarregado de representar os moradores em edifícios ou condomínios. 

O síndico assume responsabilidades legais, incluindo encargos trabalhistas, gestão de colaboradores, manutenção de áreas comuns e equipamentos, seguindo as determinações da convenção condominial. 

Garantir o cumprimento de deveres, promover boa convivência e proteger os direitos individuais tornam o papel do síndico crucial. 

Como parabenizar o síndico? 

O Dia do Síndico é o momento perfeito para expressar nossa gratidão aos líderes dedicados que moldam nossos condomínios. 

Aqui estão algumas maneiras especiais de parabenizar e homenagear o síndico que faz a diferença:

Reconhecimento Público:

Em uma assembleia geral ou através das redes sociais do condomínio, compartilhe uma mensagem de reconhecimento pelo trabalho incansável do síndico. Destaque suas conquistas e agradeça por seu comprometimento em tornar o condomínio um lugar melhor para todos. Mensagem Personalizada:

Envie uma mensagem personalizada de agradecimento. Pode ser um cartão físico, um e-mail ou até mesmo uma mensagem de texto. Destaque situações específicas em que o síndico demonstrou liderança e resolveu desafios com sucesso.

Pequenos Gestos de Apreciação:

Presentes simples, como flores, chocolates ou uma cesta personalizada, mostram apreço pelo esforço contínuo do síndico. Esses gestos são uma maneira tangível de expressar gratidão pelo tempo e energia investidos na gestão do condomínio.

Certificado de Reconhecimento:

Crie um certificado de reconhecimento destacando as realizações do síndico. Isso não apenas serve como uma lembrança tangível do apreço da comunidade, mas também é algo que o síndico pode valorizar por anos.

Organize um Evento Especial:

Se possível, organize um evento de homenagem, como um café da manhã, brunch ou jantar. Reúna os moradores para celebrar e agradecer pessoalmente ao síndico. Isso cria um ambiente caloroso e reforça o senso de comunidade.

Destaque nas Redes Sociais:

Utilize as redes sociais do condomínio para destacar o trabalho do síndico. Compartilhe depoimentos de moradores, fotos de eventos e conquistas sob a liderança do síndico. Isso não apenas o homenageia, mas também fortalece a imagem positiva do condomínio.

Semana do Síndico TownSq 2023

A TownSq convida você para um evento repleto de conteúdos e surpresas. Aprimore o seu trabalho e reconecte-se com a sua profissão. Clique aqui para saber mais e se inscrever nesta semana de conteúdos gratuitos.

Essa simples ação fez esse síndico reduzir 75% dos gastos com taxas administrativas no condomínio

Essa simples ação fez esse síndico reduzir 75% dos gastos com taxas administrativas no condomínio

É possível proporcionar melhorias ao condomínio, sem precisar aumentar a taxa condominial?

E, somado a isso, ainda proporcionar uma redução de 75% nos custos mensais do condomínio?

Esta é a história do síndico Marcílio Costa, que encontrou uma solução digital capaz de proporcionar agilidade, transparência e economia ao seu trabalho, sem precisar aumentar a taxa paga pelos moradores.

Você quer saber qual solução é essa? Continue lendo ou dê play no vídeo abaixo para conferir?

Mas antes, o que são as taxas administrativas?

As administradoras de condomínios oferecem uma ampla variedade de serviços para garantir o bom funcionamento do local, o que resulta na cobrança de taxas adicionais.

Algumas dessas taxas são aplicadas mensalmente, enquanto outras são cobradas anualmente.

Veja quais são as taxas cobradas pelas administradoras:

  • Taxa de administração;
  • Taxa de material de expediente;
  • Taxa de motoboy;
  • Taxa de xerox ou de digitalização de documentos;
  • Décima terceira taxa;
  • Taxa para emissão de DIRF, RAIS, e-Social.

Você quer entender melhor? Então, confira a verdade que nunca te contaram sobre a taxa de administração de condomínio.

O início de tudo

Para dar início, precisamos conhecer o personagem desta história: o síndico Marcílio Costa, gestor do Edifício São José, há 2 anos.

Ele conta que, antes de assumir a gestão do condomínio, estava em uma reunião de assembleia no local onde as pessoas estavam discutindo pelo aumento da taxa condominial, pois o caixa estava no negativo.

O síndico Marcílio solicitou o livro-caixa dos últimos 12 meses, realizou um estudo sobre os números e percebeu que a taxa de condomínio atual estava muito alta para o tamanho do condomínio.

Ou seja, o principal problema encontrado pelo síndico era o dinheiro.

Como ele saiu de um caixa negativado para uma economia de 75%?

O síndico Marcílio conta que conheceu a ferramenta TownSq Administração Digital e, então, percebeu que ela seria bastante útil para resolver os problemas atuais do seu condomínio.

Ele conta:

“Dentre todas as opções que eu tinha no mercado, o TownSq Administração Digital foi o mais vantajoso para nós. Supriu tanto na questão de custo, quanto na usabilidade do aplicativo. Para mim, como síndico, a parte da gestão, da administração também.”

Com a adoção de uma administração digital, o Marcílio foi capaz de reduzir os custos do condomínio, manter o valor da taxa condominial e ainda proporcionar melhorias para a comunidade, como:

  • Regularização das manutenções periódicas, como caixa d’água, caixa de gordura e porta de elevadores;
  • Foi possível trocar as luminárias comuns por luzes LED;
  • As luzes de emergência que não funcionavam, foram corrigidas;
  • Foi possível instalar uma cerca elétrica;
  • Criou-se um espaço lounge para os moradores, com móveis e outros benefícios;
  • E muito mais.

Mas você deve se questionar: Os moradores do meu condomínio nunca aceitariam uma administração digital.

Nós perguntamos: como foi a receptividade dos moradores?

O síndico Marcilio disse:

“No primeiro momento, quando ainda estávamos discutindo sobre administração digital, tiveram bastante caras e bocas, não foi muito recebido. Então, a gente foi demonstrando como é que poderia ser, as vantagens. Hoje, passou 1 ano desde que a gente implantou o aplicativo da TownSq, e eu digo que nós não temos mais nenhuma restrição, zero.”

Nós sabemos que mudanças são sempre difíceis, afinal muda-se toda uma forma de trabalho.

No entanto, apesar do desafio, o síndico conta que foi possível reverter todos os questionamentos com o passar do tempo e hoje os moradores também aprovam o uso e os benefícios em adotar o TownSq Administração Digital no condomínio.

Principais resultados após adotar o TownSq Administração Digital

Nós vamos direto ao ponto.

Adotar o TownSq Administração Digital no Edifício São José, permitiu que o síndico Marcílio reduzisse 75% no valor pago mensalmente em taxas administrativas.

E o melhor: com os custos menores, ele não precisou aumentar a taxa condominial em nem R$ 1 a mais.

Ele ainda conta:

“Optar pela TownSq foi o principal fator para essa melhoria. Era a ferramenta que mais se adequava, muito simples e sem complexidade nenhuma. Então, com um aplicativo bom, uma gestão que toda a parte do TownSq Administração Digital também possui e o custo, não teve como concorrer com as demais.”

Você deseja ver com os seus próprios olhos as vantagens em escolher o TownSq Administração Digital? É só se inscrever no formulário abaixo e um de nossos especialistas vai entrar em contato com você.

Síndico profissional: o que é, como trabalha e quanto ganha?

Síndico profissional: o que é, como trabalha e quanto ganha?

Um síndico profissional é um gestor especializado que tem como objetivo administrar um condomínio, sem necessariamente morar nele. Continue lendo e veja os principais deveres, vantagens, dia a dia e como se tornar um síndico de sucesso.

Você sabia que mais de 68 milhões de pessoas moram em condomínios no Brasil? 

Estima-se que circulam entre os condomínios cerca de 165 bilhões de reais por ano, conforme dados da Associação Brasileira de Síndicos e Síndicos Profissionais (ABRASSP).

E você sabia que todo condomínio precisa ter obrigatoriamente um síndico? Então, é só fazer os cálculos para perceber que essa é uma profissão com muito potencial de crescimento. 

A remuneração de um Síndico Profissional é paga a partir das taxas ou cotas condominiais, que é aquela contribuição mensal dos moradores ao condomínio. Essa contribuição é obrigatória. 

Quem possui um imóvel em condomínio ou aluga um precisa pagar a taxa. Então, podemos dizer que essa é uma profissão, de certa forma, a prova de crises. Pois a necessidade do síndico e os recursos que pagam sua remuneração são obrigações previstas em lei. Além disso, essa é uma profissão que não exige necessariamente o trabalho 8 horas por dia, 40 horas por semana.

É comum encontrarmos Síndicos Profissionais trabalhando em mais de um condomínio, sem precisar sair de casa todos os dias. É porque a profissão proporciona flexibilidade.

Com tudo isso, é difícil não se interessar pela profissão, certo? Mas você sabe quanto esse profissional ganha? E como alguém se torna um Síndico Profissional? Continue lendo para saber mais.

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.

O que é um síndico profissional?

O síndico profissional é um gestor especializado contratado para gerenciar um ou mais condomínios. O principal ponto de diferença entre um síndico morador e um síndico profissional, é que este profissional foi treinado para exercer essa função e possui todo o conhecimento necessário para lidar com questões jurídicas, técnicas, de gestão de pessoas, etc.

Além disso, ele pode ou não ser morador do condomínio que gerencia.

É importante destacar que o síndico profissional não, necessariamente, precisa ser um morador do condomínio, pois a lei brasileira permite que o síndico seja alguém de fora.

Ele possui as mesmas responsabilidades e funções que qualquer síndico e atua como um representante legal do condomínio, prezando pela decisão da maioria e pelo que diz a legislação, mas sem estar sujeito às regras que foram estabelecidas a todos os condôminos e com autonomia para aplicar as medidas que forem cabíveis para manter a ordem no local.

Para escolher um síndico profissional, primeiro é necessário que haja uma reunião de assembleia do condomínio e seja implementada uma eleição para a escolha, mesmo que o profissional seja contratado.

A importância do síndico profissional para o condomínio

O síndico profissional supre um problema que aflige milhares de condomínios Brasil afora: moradores que não têm tempo, conhecimento ou até mesmo interesse de atuar como síndico.

Pense na seguinte situação:

Quem você escolheria para cuidar do seu negócio? Uma pessoa que aceitou a tarefa por obrigação ou pressão dos colegas ou um profissional que estudou gestão, administração e liderança, e ainda traz consigo uma bagagem de experiências no setor?

Quando um condomínio não tem moradores motivados e/ou qualificados para atuar como síndico, vale mais a pena deixar a responsabilidade nas mãos de alguém treinado e de confiança.

Nesses casos, vale a pena para o condomínio contratar um síndico profissional.

Por não ter vínculo de moradia ou propriedade com o local, o síndico profissional provavelmente será mais objetivo na hora de tomar decisões.

E além disso, também fica mais cômodo para os condôminos tirarem dúvidas, fazerem cobranças ou críticas, sem o medo de criar um clima ruim no dia a dia do condomínio.

6 benefícios de ter um síndico profissional no seu condomínio

Como citado, a manutenção de um condomínio é um verdadeiro desafio e nem sempre os moradores estão dispostos a exercer esse importante papel.

Por isso, contratar um síndico profissional para o seu condomínio pode ser uma tarefa importante.

Pensando nisso, confira a seguir 6 benefícios para contratar um síndico profissional.

#01: Maior qualificação para gerir o condomínio

Os condomínios têm se tornado cada vez mais complexos e com demandas ainda maiores, por isso, o primeiro benefício de um síndico profissional para o seu condomínio é a qualificação.

O síndico profissional é um trabalhador que se qualificou para gerenciar condomínios, por isso a sua área de especialização vai desde gestão financeira, pessoas e administração.

Ou seja, o seu condomínio vai contar com um profissional altamente capacitado para realizar todas as demandas e necessidades dos moradores.

#02: Dedicação exclusiva às demandas do condomínio

O síndico morador pode até ser uma pessoa muito voluntariosa, que dedica o seu tempo livre para organizar o condomínio.

Mas na maioria das vezes, essa pessoa já conta com outro emprego e não consegue se dedicar da maneira correta ao prédio. Diferente do síndico profissional, cuja função e especializações são voltadas para a  rotina do condomínio.

Além disso, um síndico profissional de qualidade possui uma equipe, parceiros e especialistas para ajudá-lo, garantindo que o condomínio funcione bem e que os problemas sejam resolvidos sem atrasos.

#03: Acesso às melhores ferramentas de gestão e acompanhamento

Por se tratar de um especialista em gestão de condomínios, o síndico profissional tem à seu dispor as melhores ferramentas de gestão e acompanhamento.

Ele conta com ferramentas e processos que fazem o seu trabalho ser mais rápido e produtivo, como aplicativos para comunicação com os moradores, softwares de gestão financeira e planilhas de acompanhamento do dia a dia do prédio.

Desta forma, o condomínio fica mais atualizado, seguro e com maiores chances de obter resultados de excelência.

#04: Especialização em gestão de pessoas e conflitos

Outra vantagem de contar com um profissional para gerir o condomínio é que ele é especialista em resolver e mediar conflitos entre os moradores.

Esse profissional conhece as melhores técnicas para resolver problemas e está sempre prezando por atender o desejo e as decisões da maioria dos moradores, de acordo com o que está disposto na legislação.

#05: Mais transparência na gestão do condomínio

Um dos maiores benefícios de contratar um síndico profissional é a transparência nas contas e ações do condomínio.

Afinal, uma das principais responsabilidades desse profissional é realizar uma gestão transparente e que preze pelo bem da saúde financeira do prédio em primeiro lugar. 

Por isso, ele procura sempre manter todos os moradores cientes da situação financeira do condomínio e realiza ações e investimentos minuciosamente planejados.

Um plus que muitos profissionais têm buscado para sua gestão é oferecer ainda mais transparência nas contas do condomínio por meio de uma administração digital.

Esse modelo de administradora oferece acesso às contas e situação financeira para todos os moradores, que podem acompanhar digitalmente todas as movimentações, facilitando a vida de todos.

#06: Planejamento do condomínio

E por fim, uma das responsabilidades do síndico é realizar o planejamento do condomínio.

É ele o responsável por listar as demandas e necessidades dos moradores, elencar prioridades, criar um plano de ação, definir prazos e acompanhar o andamento das atividades.

Quando seu condomínio conta com um síndico profissional, garante que uma pessoa altamente qualificada e especialista elabore esse planejamento.

Isso é extremamente importante para que todas as demandas sejam priorizadas da maneira correta e o andamento dos projetos seja acompanhado de perto.

Qual a função de um síndico profissional?

Quando um condomínio contrata um síndico profissional, é esperado que uma série de tarefas sejam executadas.

Por esse motivo, a lei define algumas obrigações do trabalho do síndico. Algumas delas acontecem em todos os condomínios, outras podem depender da configuração daquele condomínio.

Antes de citar as obrigações, vamos imaginar como é um dia típico na vida do síndico profissional? 

A rotina dele se divide entre visitas e planejamento.

As visitas ao condomínio costumam ocorrer semanalmente ou quinzenalmente, conforme o acordo feito na contratação. Nesse momento, o síndico profissional vai conversar com a equipe do condomínio, talvez com alguns moradores também, visitando os espaços e entrando em contato com a realidade do condomínio.

Já os momentos de planejamento são feitos no escritório ou na casa do profissional. É quando ele procura soluções para os problemas que surgirem e pensa em melhorias para a comunidade. 

Com a tecnologia, a maior parte desse trabalho pode ser feito remotamente. Inclusive, é bastante comum encontrarmos síndicos com mais de um condomínio, pois por não precisarem estar no local o tempo todo, é possível gerenciar diversos condomínios e realizar o contato com a equipe, moradores e fornecedores de qualquer lugar.

As visitas geralmente acontecem somente em alguns casos. Isso garante flexibilidade ao síndico profissional, que pode ajustar o trabalho de acordo com a sua agenda.

O que um síndico pode e não pode fazer?

Principais deveres de um síndico de condomínio

Agora que você já entendeu qual a principal função de um síndico profissional, veja a seguir quais são os principais deveres do síndico:

#01: Representar ativa e passivamente o condomínio

De acordo com o art. 1.348 do Código Civil, compete ao síndico representar ativa e passivamente o condomínio.

É dever do síndico defender o condomínio, pois sempre que os interesses dos condôminos estiverem em jogo, ele deve atuar em sua defesa.

#02: Combater a inadimplência

Também é dever do síndico manter as contas em dia, porém para que isso aconteça é necessário que os moradores estejam em dia com os seus débitos.

Isso significa que o síndico também deve atuar para combater a inadimplência, garantindo que tudo esteja funcionando em boas condições, buscando resoluções pacíficas e aplicando medidas legais cabíveis, sempre que for necessário.

#03: Zelar pela segurança e prevenir acidentes

Segurança é, com certeza, um dos principais motivos para as pessoas procurarem morar em um condomínio.

Neste sentido, é um dos deveres do síndico garantir que o condomínio esteja protegido, atuando na prevenção de acidentes e buscando promover ações de manutenção.

#04: Organizar as reuniões de assembleia e garantir que os condôminos sejam notificados

É dever do síndico organizar reuniões de condomínio, sendo que deverá haver pelo menos uma reunião de assembleia ao ano (Assembleia Geral Ordinária). Nessas reuniões ele faz a mediação das discussões dos moradores, escuta suas reivindicações e presta contas à comunidade.

#05: Manter as contas em dia

Manter a pontualidade das contas a pagar, ajudando a evitar maiores despesas com juros e garantir que os moradores possam desfrutar das dependências do condomínio com tranquilidade.

#06: Gerenciar a equipe de funcionários contratados e terceirizados

O síndico deve contratar o serviços de profissionais de limpeza, reparos, pintura, entre outros, buscando sempre o equilíbrio entre o custo e o benefício.

Ele também deve contribuir para a gestão das pessoas, garantir que as leis trabalhistas sejam cumpridas e que as empresas terceirizadas atuem de maneira correta e de acordo com a legislação.

O que um síndico não pode fazer?

Agora que você já entendeu quais são deveres do síndico, veja a seguir o que um síndico profissional não pode fazer:

#01: Negligenciar normas do condomínio

O síndico deve seguir à risca as regras estabelecidas pela legislação, convenção e regimento interno, além de fiscalizar se os moradores também estão seguindo-as.

#02: Não prestar contas aos moradores

O síndico profissional deve realizar a prestação de contas do condomínio pelo menos uma vez ao ano e/ou sempre que for exigido.

#03: Proibir a entrada de visitantes

Não é correto que o síndico determine a proibição de entrada de um visitante, se a entrada já foi aprovada por um morador do condomínio, exceto quando a convenção indica o contrário.

Caso seja necessário, o síndico deverá chamar as autoridades, a fim de contribuir para o bem estar da comunidade.

#04: Expor moradores inadimplentes

Independentemente do motivo, o síndico não pode expor o nome das pessoas devedoras. Caso contrário, é um direito do morador entrar com uma ação de danos morais.

#05: Desrespeitar o quórum das votações em assembleia

O síndico deve obedecer às regras estabelecidas, pois o descumprimento pode levar à impugnação da convocação e da ata.

#06: Invadir a privacidade dos condôminos

O síndico não pode abrir correspondências ou entrar em uma unidade sem permissão, com exceção de casos emergenciais, como vazamento de água ou gás em um imóvel.

O que é preciso para ser um síndico profissional?

Essa é uma pergunta bastante comum. Muitos querem ingressar na profissão, mas para isso é preciso ter o conhecimento necessário para atuar em condomínios.

Aqui vai uma lista das habilidades necessárias ao síndico profissional:

  • Inteligência emocional;
  • Administração;
  • Contabilidade;
  • Finanças;
  • Gestão de pessoas;
  • Direito condominial;
  • Boa comunicação;
  • Organização;
  • Disciplina;
  • Gestão do tempo.

#01: Inteligência emocional

O conhecimento técnico, ainda que importante, tem se mostrado insuficiente para lidar com todas as complexidades da rotina de um síndico profissional.

Por isso, uma das principais habilidades de um síndico de sucesso é a capacidade de administrar bem as emoções e ter inteligência emocional para lidar com crises e promover uma boa resolução de conflitos no condomínio.

Cautela, racionalidade e até mesmo distanciamento para avaliar cada situação isoladamente e tomar uma boa decisão, são apenas algumas das características emocionais que são relevantes em uma boa gestão condominial.

Neste sentido, é importante que o síndico:

  • saiba lidar com a pressão de atender moradores mais difíceis do que outros;
  • tenha consciência de que representa toda uma comunidade e, portanto, deve tomar decisões imparciais e em prol da coletividade;
  • consiga fortalecer sentimentos positivos para gerar resultados satisfatórios;
  • tenha cautela para administrar reuniões de assembleias e opiniões distintas;
  • saiba administrar emoções, lidar com ânimos alterados e ter paciência com pessoas em momentos de tensão e estresse;
  • e, por fim, agir de forma tranquila, equilibrada e empática.

#02: Administração, Contabilidade e Finanças

Condomínios residenciais ou comerciais, em sua grande maioria, envolvem muitas contas, altos valores e diferentes formas de pagamento.

Neste sentido, é comum que os moradores cobrem por uma maior transparência financeira diretamente ao síndico, bem como a prestação de contas.

No art. 1.348 do Código Civil, está definido que compete ao síndico prestar contas à assembleia anualmente ou sempre que essas informações forem exigidas.

É por este motivo que, em casos de problemas contábeis como fraudes, desvios de dinheiro ou superfaturamento de obras, os próprios síndicos são processados juridicamente.

Para evitar qualquer problema na Justiça, o síndico deve adicionar na sua lista de habilidades, os conhecimentos em administração, contabilidade e finanças, mesmo que ele contrate um profissional para auxiliar nestas atividades.

#03: Gestão de pessoas

E por falar em contratação de profissionais para o condomínio, não poderíamos deixar de mencionar a importância da gestão de pessoas na rotina de um síndico profissional.

O art. 1.348 do Código Civil explica que zelar pela conservação das áreas comuns do condomínio é uma das obrigações do síndico, logo coordenar funcionários em prol da preservação do empreendimento também pode ser considerada uma das responsabilidades de um síndico profissional.

Afinal, os colaboradores são importantes para que tudo ocorra em perfeita harmonia e o trabalho no condomínio torna-se cada vez mais aprimorado.

Aproveite para ler também: Como contratar funcionários para o condomínio?

#04: Direito condominial

O Direito Condominial é uma área do Direito que aborda os principais tópicos e normas relacionadas ao condomínio, como:

  • Convenção de condomínio;
  • Despesas;
  • Seguro, incêndio, demolição, reconstrução obrigatória;
  • Utilização da edificação ou do conjunto de edificações;
  • Administração do Condomínio;
  • Assembleia Geral;
  • Definição e registro do condomínio edilício;
  • Direito e deveres dos condôminos;
  • Administração: síndico (eleição, função, deveres, destituição), conselho fiscal, representação (administradoras, síndicos profissionais);
  • Extinção do condomínio;
  • Outros pontos gerais como obras, seguro obrigatório, dívidas, multas, partes comuns, vagas.

Falando sobre leis, podemos destacar a chamada Lei do Condomínio (Lei nº 4.591/64) e o Código Civil (Lei nº 10.406/2002).

É importante que o síndico profissional tenha conhecimento destas informações, bem como do conteúdo das leis, para que aja de acordo com a legislação brasileira, evitando problemas na justiça.

de nada adianta fazer um monte de coisas se as pessoas não souberem, assim como nada ainda ele comunicar tudo e não fazer. ele tem que ter uma boa rotina e canais claros de comunicação com o condomínio

#03: Boa comunicação

Sem boas práticas de comunicação no condomínio, um síndico profissional não consegue fazer uma administração e cultivar o bom relacionamento com os condôminos e os funcionários.

Afinal, de nada adianta um síndico fazer várias tarefas diferentes, se as pessoas nunca irão saber da existência delas. Bem como, não adianta o síndico comunicar sobre tudo e não fazer absolutamente nada.

Por isso, uma boa rotina de comunicação e canais claros com o condomínio, auxilia a propagar a mensagem da maneira correta.

E tem mais. É por meio dessa prática que é possível enxergar as necessidades das pessoas, ter mais empatia e ser compassivo, possibilitando a resolução de problemas e conflitos com mais leveza e rapidez.

#04: Organização

A vida de síndico não é fácil, imagine então a vida de quem é síndico profissional e precisa gerir um, cinco ou trinta condomínios ao mesmo tempo.

São muitas obrigações, papeladas, imprevistos e outras complexidades recorrentes. Muitas vezes, tudo acontece ao mesmo tempo.

A organização surge como centro desta questão e é uma habilidade primordial neste contexto, possibilitando:

  • tomar decisões com antecedência;
  • identificar problemas, crises ou manutenções antes que aconteçam ou que piorem;
  • se preparar com calma para as reuniões de assembleia;
  • garantir a boa saúde financeira do condomínio, a partir de uma previsão orçamentária bem estruturada;
  • contratar, treinar e gerir funcionários;
  • mais tempo para planejar, monitorar e avaliar.

#04: Disciplina

Geralmente, quando não se tem foco e disciplina, é porque existem muitas atividades disputando a sua atenção ao mesmo tempo, como as notificações do grupo de WhatsApp do condomínio, as solicitações dos moradores, as diversas planilhas que precisam ser preenchidas, entre outras.

Em algum momento, você vai deixar de prestar atenção em uma destas coisas e focar mais em outra.

Ou pior: você vai tentar resolver tudo de uma vez e, no final do dia, não vai ter finalizado quase nada.

Por ter uma rotina tão complexa, essas situações são corriqueiras no dia a dia de um síndico profissional. Compreendemos que para ser produtivo não é preciso estar ocupado o tempo todo, mas sim ter disciplina.

Esta habilidade é adquirida quando você:

  • foca em uma tarefa por vez;
  • lista todas as suas prioridades do dia;
  • elimina ou diminui todas as suas distrações;
  • se organiza para garantir um descanso adequado;
  • e, por fim, sabe a importância de ter metas e as define de forma clara e com prazos amigáveis.

#05: Gestão do tempo

Por fim, depois de todas as habilidades anteriores, é fácil identificar a gestão do tempo como mais uma das capacidades a serem desenvolvidas pelo síndico profissional, certo?

O primeiro passo é descobrir como planejar a sua gestão do tempo, como:

  • montando um quadro de avisos que esteja em um ambiente de fácil visualização;
  • criando e atualizando, por meio de uma rotina programada, planilhas de controle de gastos, controle financeiro, controle de tempo, etc;
  • adotando uma ferramenta de gestão de atividades, como o Trello, Asana ou Evernote;
  • ou, por fim, adotando uma tecnologia específica para gestão de condomínios, como o TownSq, que centraliza todos os tópicos anteriores em único local.

síndico profissional

Quanto é o salário de um síndico profissional?

O valor da remuneração de um síndico é definido a partir de uma negociação do contratante, no caso, o condomínio. Por isso, não existe um valor fixo pelo trabalho do síndico. 

A profissão não é regulamentada, então não existe um piso ou um teto salarial. O que existem são alguns aspectos levados em consideração pelo profissional na hora de propor a sua remuneração, como:

  • Número de unidades do condomínio;
  • Número de visitas por semana ao condomínio;
  • Quantidade de áreas comuns e de lazer;
  • Tamanho da equipe de funcionários;
  • Valor da taxa condominial do condomínio.

No final, um síndico ganha em média entre R$ 1.500 e R$ 4.000 reais por mês. Dependendo do condomínio, da região e outros fatores já mencionados, esse valor pode aumentar bastante, podendo chegar até R$ 20.000 ou mais do que isso.

Lembrando que o síndico não precisa estar sempre no condomínio, durante oito horas diárias. Por isso, é bastante comum encontrarmos síndicos que atuam em mais de um condomínio ao mesmo tempo, sem perder a qualidade.

Ou seja, o tempo que ele precisará dedicar ao trabalho vai ser definido no contrato com o condomínio.

Quanto custa um síndico profissional na sua cidade?

Como você já sabe, o valor do salário de um síndico profissional pode variar de acordo com diversos fatores, incluindo a região do país.

Pensando nisso, você confere a seguir a média salarial deste profissional em algumas das principais capitais do Brasil. Veja:

Cidade Valor em média
Porto Alegre R$ 2.175,89 a R$ 3.936,75
São Paulo R$ 3.131,10 a R$ 6.622,19
Belo Horizonte R$ 1.948,10 a R$ 3.559,98
Fortaleza R$ 1.673,95 a R$ 2.834,61
Brasília R$ 2.187,98 a R$ 5.019,28
Rio de Janeiro R$ 2.640,57 a R$ 5.647,58
Salvador R$ 2.092,30 a R$ 3.857,66
Curitiba R$ 1.477,20 a R$ 2.345,68
Manaus R$ 1.960,48 a R$ 3.793,97
Recife R$ 1.761,98 a R$ 3.434,23

Síndico profissional precisa abrir empresa?

Síndicos profissionais não têm a obrigatoriedade de ter um CNPJ, pois esta não é uma profissão regulamentada.

No entanto, alguns clientes podem exigir por preferirem contratar uma pessoa jurídica para administrar o condomínio. 

Além disso, essa é uma boa prática, pois passa mais confiança, autoridade e garante a proteção do síndico e do condomínio.

Síndico profissional pode ser MEI?

É importante deixar claro que síndicos profissionais não podem ser MEI, assim como profissionais da área do direito ou saúde, por exemplo.

Isso porque esta profissão não está enquadrada na lista de ocupações que são beneficiadas pela legislação que compete ao Microempreendedor Individual (MEI).

Para ser MEI, existem algumas regras, como:

  • a profissão não deve ser de caráter intelectual;
  • o CNAE deve ser correspondente aos permitidos para MEI;
  • a renda bruta anual do profissional autônomo não pode ultrapassar R$ 81 mil por ano;
  • e, por fim, o profissional pode realizar apenas uma contratação CLT.

Neste sentido, caso você queira abrir uma empresa de síndico profissional, pode optar por:

  • Empresário Individual – Microempresa;
  • Empresa Individual de Responsabilidade Limitada – EIRELI;
  • Sociedade Limitada.

Qual o CNAE para síndico profissional?

Existem algumas opções de CNAE que você pode escolher, veja:

  • 6822-6/00 – Gestão e administração da propriedade imobiliária;
  • 8111-7/00 – Serviços combinados para apoio a edifícios, exceto condomínios prediais;
  • 8219-9/99 – Preparação de documentos e serviços especializados de apoio administrativo não especificados anteriormente.

O ideal é que, ao abrir a empresa, o síndico profissional sempre contrate um contador especializado para analisar caso a caso e auxiliá-lo neste processo.

Quem assina contrato de síndico profissional?

De forma simplista, o contrato não é necessário e a ata de assembleia geral do condomínio é um documento suficiente para fechar um acordo.

No entanto, esse é um documento indicado, pois garante maior segurança e transparência para o síndico e o condomínio, pois traz as atividades que estão incluídas, quais não estão, tempo de visita no condomínio, formato de trabalho, entre outras informações importantes.

Em muitos casos, o síndico profissional também apresenta uma proposta detalhada com todas as informações sobre o serviço que está oferecendo, para que, em caso de descumprimento, possa haver uma destituição do mesmo.

No entanto, caso os moradores sintam-se mais à vontade com um contrato assinado, então o ideal é que a assembleia se reúna e delegue um condômino ou o conselho do condomínio para arcar com a responsabilidade de assinar o contrato, em complemento à ata.

Além disso, em todo caso, existe a necessidade de delegação de poderes pela assembleia, pois, em regra, quem representa o condomínio é o síndico.

Como ser um bom síndico profissional

O síndico profissional deve ter algumas habilidades e características específicas, como:

  • Saber lidar com pessoas e manter um bom relacionamento com moradores e funcionários;
  • Ter empatia e calma na hora de gerenciar crises e apaziguar conflitos;
  • Possuir afinidade com áreas do conhecimento como administração, contabilidade, direito, recursos humanos e finanças;
  • Ser organizado e disciplinado para saber trabalhar de forma autônoma e independente.

Muitos síndicos profissionais iniciam a carreira após atuar como síndico dos condomínios em que moram e acabam pegando gosto pela atividade.

Afinal, por que não ganhar dinheiro com algo que você é bom e gosta de fazer?

Nem sempre o síndico profissional precisa de dedicação exclusiva à função. É possível conciliar as tarefas da gestão do condomínio com carreiras que seguem horários flexíveis, com o horário comercial livre.

Desta forma, a atividade como síndico pode funcionar como uma fonte de renda extra.

Não existe uma faculdade ou certificação básica para ser um síndico profissional, pois a profissão de síndico ainda não é regulamentada.

No entanto, algumas instituições oferecem cursos de capacitação para quem tem interesse em atuar na área, como a TownSq.

Quem pode se candidatar a síndico?

De acordo com o art. 1.347 do Código Civil, qualquer pessoa física ou jurídica pode exercer a função de síndico de um condomínio, seja locatário, proprietário ou ocupante.

Sendo assim, contratar um síndico profissional, como já vimos ao longo do texto, que é alguém sem vínculo algum com o condomínio, também pode acontecer.

Quando uma pessoa não pode ser síndico?

Neste caso, de acordo com o CNJ, somente os magistrados não podem exercer a função de síndico de um condomínio, pois prevalece o princípio da dedicação exclusiva.

E, de acordo com o art. 1.335 do Código Civil, inadimplentes também não podem atuar nesta profissão, pois a lei determina que apenas condôminos quites possuem o direito de votar e participar de reuniões de assembleia.

Síndico pode ser eleito por procuração?

A resposta é sim. Não há nada na lei que impeça esta conduta e, portanto, o uso de procuração em reuniões de assembleia é permitido.

A legislação indica que a procuração deve:

  • constar que é válida expressamente para a assembleia condominial de eleição de síndico;
  • deve conter a assinatura reconhecida;
  • e, por fim, deve conter o substabelecimento de poderes de representação do procurador a um terceiro.

Como criar a proposta de um candidato a síndico?

A proposta comercial é um documento que representa o seu interesse em atuar como síndico de um determinado condomínio.

Geralmente, a proposta descreve de maneira objetiva o trabalho que o candidato a síndico desempenhará, apresentando o que ele pretende cobrar pelo serviço.

É comum que o conselho do condomínio entre em contato com o síndico pedindo um material mais enxuto, como uma apresentação. E em seguida ele é convidado a conhecer o condomínio e conversar com os conselheiros.

Mas há também síndicos que na primeira oportunidade de apresentar o seu trabalho a uma comunidade em potencial enviam uma proposta completa, construída na medida para aquele condomínio. Portanto, o conteúdo da sua proposta vai depender do seu cliente.

E para construir a proposta, recomendamos que você conheça bem a realidade daquela comunidade, seus desafios e interesses.

Baseado nisso, pense em estratégias para entregar os resultados que o condomínio espera e inclua elas na proposta. Você pode fazer esse exercício através de perguntas como:

  • Quais são os problemas que o condomínio enfrenta atualmente? 
  • Qual é a história do condomínio? 
  • Existe alguma pendência importante no condomínio que deva ser tratada como prioritária?
  • Quais são os objetivos da comunidade no curto, médio e longo prazo?
  • Existe alguma obra de grande porte planejada no curto prazo? Ou alguma regularização a ser feita (exemplo: PPCI)?

Não esqueça também de falar sobre a sua empresa, seu trabalho. Conte um pouco da sua experiência – sem exageros -, mencione a sua qualificação para o cargo, traga cases/exemplos de outros condomínios onde já atuou e, se possível, até mesmo contato de alguém para ser referência.

E se tratando de estética, você não precisa ser um designer para apresentar uma proposta de qualidade. Plataformas digitais como o Canva oferecem referências de materiais e possibilitam que você monte a sua proposta.

Você pode também construí-la como uma apresentação (PowerPoint) ou documento de texto (Word). Essas duas plataformas também oferecem modelos que podem ser o ponto de partida da sua proposta.

Lembre-se que essa poderá ser uma primeira impressão a seu respeito para alguns membros da comunidade, portanto vale a pena dedicar um tempo para entregar uma proposta esteticamente apelativa. 

Como rescindir contrato com síndico profissional?

Uma das principais dúvidas ao contratar um síndico profissional se refere ao encerramento do vínculo do síndico com o condomínio.

Neste caso, o encerramento da gestão do síndico só poderá acontecer por meio de uma reunião de assembleia convocada, especificamente, para esta finalidade.

Os motivos podem ser diversos:

  • renúncia;
  • destituição;
  • ou falecimento do síndico.

Em ambos os casos, o contrato deverá ser rescindido atendendo todas as cláusulas que foram expressas.

Quando o síndico pode ser processado?

Geralmente, poderá haver um processo contra o síndico somente quando existirem provas de que houveram irregularidades, como:

  • falta de transparência na prestação de contas;
  • superfaturamento de obras;
  • desvio de dinheiro;
  • obtenção de vantagens financeiras por meio do cargo;
  • agressão verbal ou física;
  • difamação.

Síndico profissional é a profissão do futuro

Vivemos em um mundo onde há cada vez menos espaços disponíveis nos centros urbanos.

Com isso, as construtoras e a população têm apostado ainda mais na vida em condomínio.

Não existem dados oficiais sobre o número de condomínios no Brasil, mas um dado aproximado, de acordo com o Censo Demográfico de 2010, podemos estimar que existem cerca de 240 mil condomínios edilícios verticais (de prédios) no Brasil.

Só na cidade de São Paulo, é calculado que uma entre três pessoas vive em um desses conjuntos habitacionais.

Esse número deve apenas aumentar a cada ano que passa. E cada um desses empreendimentos precisa obrigatoriamente de um síndico.

Com o crescimento da população que vive em condomínios, se torna cada vez mais urgente a existência de pessoas qualificadas para exercer a profissão de síndico.

O aumento do desemprego no país também influencia essa necessidade de se reinventar profissionalmente – e sai na frente quem está disposto a inovar.

A incerteza do mercado de trabalho se une à liberdade para explorar novas áreas de atuação, e por que não como síndico profissional?

Curso de síndico profissional: onde fazer?

Se depois de ter lido este post inteiro a sua vontade é de aprofundar ainda mais os seus conhecimentos sobre como ser um síndico profissional, aproveite também para explorar outras fontes de aprendizado, como:

Curso Síndico Profissional TownSq – O novo empreendedor de sucesso

Neste curso, você receberá as principais orientações para conquistar o primeiro condomínio ou expandir a carteira de clientes.

Inclui conhecimentos sobre técnicas de vendas, marketing, redes sociais, precificação, e mais.

Curso Gestão Condominial de Resultado

Já neste curso, você terá acesso a conhecimentos e ferramentas necessárias para atuar como síndico profissional. 

E, mais do que isso, entregar uma gestão de qualidade, com resultados práticos na vida da comunidade.

Agora é com você!

Já mostramos como funciona a rotina de síndico profissional e todas as informações essenciais para você ingressar nesta profissão, mas está na hora de você colocar a mão na massa.

Tenha em mente que ninguém se torna um síndico profissional de sucesso da noite para o dia, mas que se você mantiver a organização e se certificar com os melhores cursos do mercado, a sua melhora será contínua.

Se você gostou deste post e ainda tem dúvidas, não esqueça de deixar o seu comentário abaixo.