Os 20 melhores livros para síndicos que você precisa ler

Os 20 melhores livros para síndicos que você precisa ler

Descubra quais são os 20 melhores livros para síndicos de todos os tempos e confira quais você não pode deixar de ler. Continue lendo!

Seja você um síndico morador ou um síndico profissional, a busca pelo conhecimento é o que determina o seu sucesso na área condominial.

Não se trata apenas de ler livros, mas sim de se aprofundar em diversos conteúdos que serão fundamentais para o seu crescimento pessoal e profissional.

Por isso, nós reunimos aqui uma lista dos principais livros para síndicos, desde os mais básicos, que apresentam os conceitos fundamentais da área, até os mais avançados, que trazem reflexões profundas e estratégias para você colocar em prática no seu condomínio.

Continue lendo e confira a nossa lista exclusiva com os 20 principais livros para síndicos. 

Manual de A a Z Para Síndicos e Moradores, por Angela Alencastro

Manual de A a Z Para Síndicos e Moradores

Depois de anos trabalhando como gerente de produtos e processos de grande porte, Angela Alencastro, autora deste livro, decidiu compartilhar a sua experiência e conhecimento.

Então, ela criou este manual que reúne, de maneira clara e simples, todos os assuntos relacionados à administração de um condomínio, seja gestão de funcionários, manutenção de elevadores, reuniões de assembleia, segurança, entre outros.

Tudo isso levando em consideração a legislação pertinente.

Estou Síndico. E agora? Por Romeo Boettcher

Nesta edição do “Estou síndico. E agora?”, o autor apresenta respostas para as principais perguntas relacionadas à gestão e convivência de pessoas em condomínios edilícios.

O livro aborda situações práticas, questões jurídicas, legislação, jurisprudência e também ensina o caminho para que o trabalho do síndico seja exercido da melhor maneira possível.

Tenha acesso a um guia para consulta diária do síndico, funcionários, condôminos e até mesmo profissionais da área imobiliária.

Manual Tributário Para Condomínios, por Michele Lordêlo

As obrigações tributárias dos condomínios geralmente são densas e, por vezes, envolvem um grande desafio de interpretação e aplicação.

Por isso, a autora Michele Lordêlo reuniu, nesta obra, aplicações práticas, explicação simplificada, quadro, processos e procedimentos, especialmente para quem cuida da contabilidade, administração e gestão financeira do condomínio.

Revolucionando o Condomínio, por Rosely Schwartz

Morar em um condomínio exige, além do compartilhamento do espaço e do cumprimento de normas, a preservação de serviços considerados básicos, como o fornecimento de água e energia, manutenção geral, entre outros.

Para que tudo isso funcione perfeitamente, é preciso uma administração capaz de manter a estrutura em atividade e atender as expectativas dos moradores.

Pensando em toda essa complexidade, a autora deste livro aborda os principais tópicos que envolvem a administração de um condomínio.

De acordo com ela, as informações presentes na obra ajudarão qualquer síndico, mesmo os iniciantes, a realizar uma gestão eficiente, tranquila e segura. Enquanto os moradores serão capazes de conferir se tudo está, de fato, sendo cumprido.

Questões Recorrentes da Vida em Condomínio, Rodrigo Karpat

Com este livro, você será capaz de enfrentar as principais questões do dia a dia de um síndico e resolver as dúvidas que não são facilmente encontradas nas doutrinas.

Cada caso analisado neste livro é explorado sob o olhar jurídico e administrativo, a fim de trazer uma solução e não apenas suposições.

Os temas envolvem home office, alteração de fachada, animais no condomínio, obras nos apartamentos, obrigações da construtora e muitos outros.

Ser Síndico Não É padecer no Condomínio, por Lino Araujo, Sergio Jafet e Gabriela Rocha

Esta obra traz esclarecimentos jurídicos para questões decorrentes da vida em condomínio, por meio de uma linguagem simples e direta.

São mais de 600 perguntas respondidas por advogados com muitos anos de experiência na área de imobiliária, conhecedores das dúvidas mais frequentes levantadas por moradores e síndicos.

Os principais problemas resolvidos neste livros, envolvem alterações de fachadas, vagas de garagem, inadimplência, segurança, eleição do síndicos, atas, prestação de contas, reuniões de assembleias e muito outros, que são tratados em detalhes para sanar suas dúvidas e servir como fonte de consulta simples e confiável.

Problemas em Condomínios, por Daphnis Citti De Lauro

Quando falamos em vida em condomínio, nunca é possível afirmar que já se viu de tudo. Mesmo com anos de experiência, muitos síndicos ainda se deparam com algo novo, jamais visto ou impensável.

Por ser uma fonte inesgotável para a psicologia e sociologia, ciências que estudam o comportamento humano, é que a autora Daphnis Citti escreveu este livro.

Aqui você encontra uma lista dos principais problemas condominiais, bem como uma discussão e solução para cada um deles, com base nas principais leis e jurisprudências.

Contabilidade e finanças em condomínios: “Um enfoque contábil em serviços de condomínio”, por Cezimar Gomes e Adriano César

Dificilmente um condomínio consegue sobreviver, se não houver uma atenção redobrada ao dinheiro que entra e sai do caixa. Por isso, um dos principais desafios dos síndicos envolve a gestão financeira e a contabilidade.

Síndicos que desejam realizar uma gestão eficiente, prestar contas da maneira correta e garantir que o dinheiro do condomínio está seguro, devem buscar o conhecimento necessário.

Por isso, o autor Cezimar Gomes reuniu os seus conhecimentos em ciências administrativas e desenvolveu este livro, onde aborda sobre organização, controle, análise e avaliação de resultados financeiros e contábeis.

Condomínio em foco: questões do dia a dia, por Luiz Fernando de Queiroz

Este livro reúne 105 textos objetivos sobre questões condominiais, selecionados entre mais de 300 artigos publicados em diversos periódicos pelo autor do livro, ao longo de 20 anos.

A obra possui um texto esclarecedor e de leitura acessível, onde explica direitos, reforça deveres e explica, sempre à luz do direito, as principais questões envolvidas na relação de síndicos, condôminos, administradores e prestadores de serviços.

Entre as principais questões resolvidas, então:

  • Quem paga a conta pelo dano provocado por infiltrações?
  • Como lidar com o barulho no condomínio?
  • Um condômino assume as dívidas do período anterior à aquisição do imóvel?
  • Quem decide a que horas o prédio abre ou fecha?

Essas e outras questões cotidianas são abordadas de forma objetiva, concisa e transparente.

Legislação Do Condomínio: Coletânea Prática, por Luiz Fernando de Queiroz

Considerado o vade mecum da legislação condominial, esta obra única no mercado reúne as principais normas legais aplicáveis aos condomínios.

Além do Código Civil, Lei do Condomínio, de Locações e muito mais, foram incluídas novas normas legais, como o Estatuto da Pessoa com Deficiência, Lei da Acessibilidade, Lei Antifumo, Lei do Consumo Hídrico Individualizado, assim como os novos artigos do recente Código de Processo Civil de 2015.

Ao final, o livro também traz um completo índice temático, com palavras-chave e apontamentos que indicam com precisão a informação procurada na lei, para que o leitor solucione com facilidade e rapidez a sua dúvida.

Facilitador Do Condomínio, por Luiz Fernando de Queiroz

Este é um livro que promete uma nova maneira de explicar a legislação do condomínio, reunindo as 36 diferentes leis que trazem regras sobre o condomínio.

O livro di­vide a legislação em 270 assuntos ou tópicos te­máticos e, em cada um deles, mostra as regras vigentes em frases diretas com compreensão faci­litada.

O objetivo deste livro é ser útil a quem trabalha na atividade condominial, servindo como um guia prático.

Condomínios – Gestão 360º, por Gabriel Karpat

Misturando teoria e prática, esta obra pretende apontar um norte para os síndicos que buscam informações concretas, embasadas na prática diária.

O livro traz conhecimento de legislação, normas aplicadas na gestão, técnicas administrativas, funções do síndico, entre outros temas.

Vida de Síndico, por Dr. Condomínio

Este livro foi criado a partir de diversos artigos que reproduzem os mais relevantes temas do dia a dia do síndico morador e do síndico profissional, como terceirização da mão de obra, questões trabalhistas, manutenções preventivas e corretivas, contabilidade, direito condominial, engenharia e muitos outros.

Este trabalho permite aos síndicos, subsíndicos, conselheiros fiscais, condôminos e gestores condominiais terem acesso a um amplo conteúdo que poderá auxiliar nas questões diárias.

Síndico: Entenda como andam seus processos de cobrança, por Dr Ricardo Silva da Timotheo

Neste livro, o autor Dr. Ricardo da Silva aborda, de forma objetiva, como o síndico deve mediar conflitos e realizar processos de cobrança aos condôminos.

Como Administrar Um Condomínio, por João Ferreira Machado

Os autores João Ferreira Machado e Edson José de Araújo elaboraram a obra Como Administrar um Condomínio, cujo objetivo é fornecer esclarecimentos teóricos e práticos para administrar condomínios.

Além disso, a obra também inclui modelos, legislação e jurisprudências, para que qualquer pessoa possa exercer o cargo de síndico de maneira eficiente.

BÔNUS: 5 livros para síndicos para ir além da gestão condominial

A escalada do síndico: 5 passos para conquistar mais condomínios

a escalada do síndico

Este livro, desenvolvido pela empresa criadora do maior aplicativo de condomínios do mundo, a TownSq, tem o objetivo de auxiliar os síndicos a expandir a sua carreira na gestão condominial e prospectar mais condomínios para a sua carteira de clientes.

A obra aborda: plano de negócios, marca e posicionamento, prospecção de oportunidades, proposta e eleição do síndico, além de orientações práticas para a carreira do síndico.

Comunicação não violenta: técnicas para aprimorar relacionamentos pessoais e profissionais, por por Marshall B. Rosenberg

Em um mundo cheio de conflitos e mal entendidos, a comunicação é uma das armas mais eficazes neste contexto.

Grande parte dos problemas no dia a dia de um condomínio, por exemplo, poderia ser facilmente resolvido com uma comunicação eficiente ou uma escuta ativa.

Por isso, nesta obra best-seller no Brasil e no mundo, o autor explica os valores e princípios de uma comunicação não violenta, que se baseia em habilidades de linguagem e comunicação que fortalecem nossa capacidade de manter a humanidade, mesmo em condições adversas.

Além disso, este livro também traz um capítulo inteiro sobre mediação e solução de conflitos, ideal para síndicos que precisam lidar com condôminos, funcionários, prestadores de serviços e diferentes tipos de pessoas ao longo do dia.

Comece pelo porquê: Como grandes líderes inspiram pessoas e equipes a agir, Simon Sinek

O autor Simon Sinek acredita que algumas pessoas inspiram outras pessoas mais do que outras, simplesmente porque encontraram o seu “porquê”.

Ele ilustra essa ideia com as histórias de Martin Luther King, Steve Jobs e os irmãos Wright, mostrando que as pessoas só irão se dedicar de corpo e alma a um movimento, ideia, produto ou serviço se compreenderem o verdadeiro propósito por trás deles.

Por isso, neste livro, você verá como pensam, agem e se comunicam os líderes que exercem a maior influência, além de descobrir um modelo a partir do qual as pessoas, incluindo os condôminos e os seus funcionários, poderão ser inspirados e engajados.

A sorte segue a coragem: Oportunidades, competências e tempos de vida, por Mario Sergio Cortella

De acordo com o autor, todo mundo já usou essas justificativas para o insucesso em alguma atividade: “eu tento, tento, mas não funciona”; “não tenho sorte”; “não dou pro negócio”; “por mais que eu ande, não saio do lugar”.

Por isso, neste livro, o autor afirma que você não pode atribuir o seu sucesso ou fracasso somente às forças externas e, a partir desta ideia, ele discute comportamentos comuns a todos e aponta caminhos para que cada um cultive a sua própria sorte.

Por exemplo:

  • Êxitos e fracassos: será o destino?;
  • O destino me persegue?;
  • A ocasião faz o padrão…;
  • A pessoa certa no lugar certo, na hora certa;
  • Coragem não é impulsividade;
  • Sorte, iniciativa e ética;
  • A hora é agora;
  • E quando a hora não é agora?;
  • E muito mais.

Essencialismo: A disciplinada busca por menos, por Greg McKeown

De acordo com o autor deste livro: “uma pessoa essencialista não faz mais coisas em menos tempo – ela faz apenas as coisas certas.”

Por isso, se você se sente sobrecarregado, subutilizado, ocupado, mas pouco produtivo e pensa que o seu tempo parece servir apenas para o interesse dos outros, então você precisa conhecer o essencialismo.

Indo além de uma técnica de gestão do tempo ou de produtividade, este é um método que promete ajudar você a identificar o que é vital na sua vida e eliminar todo o resto, para que você possa dar a maior contribuição possível ao que realmente importa.

Neste livro, o autor Greg McKeown mostra que, para equilibrar trabalho e vida pessoal, é preciso eliminar o que não é essencial e se livrar de desperdícios de tempo. Ele cita que a pessoa essencialista toma as próprias decisões – e só entra em ação se puder fazer a diferença.

Você gostou dessa lista de livros para síndicos? Escolha a sua própria leitura agora mesmo e não esqueça de se inscrever na comunidade da TownSq e receber e-mails quinzenais com outras dicas, notícias e atualizações do universo condominial.

Guia completo da prospecção de condomínios: veja como fechar contratos como ninguém

Guia completo da prospecção de condomínios: veja como fechar contratos como ninguém

A prospecção de condomínios é o processo de buscar clientes em potencial para os seus serviços de síndico profissional. O objetivo é criar um relacionamento com esses clientes em potencial até que eles se tornem clientes reais, ou seja, geradores de receita. Entenda mais a seguir!

Se você começou a atuar como síndico profissional agora ou decidiu expandir a sua carteira de clientes, provavelmente viu um grande desafio nesse caminho: a prospecção de condomínios.

Muita gente ainda acredita que apenas o famoso “boca a boca” é suficiente, mas acaba se frustrando ao perceber que não está conseguindo atrair tantos clientes quanto gostaria.

Por outro lado, alguns síndicos já tentaram de tudo para conseguir o primeiro ou mais condomínios e parece que nada funciona corretamente.

Você se identifica com alguns destes casos? Então, continue lendo e veja o passo a passo para prospectar condomínio e fechar contratos como ninguém.

Como prospectar condomínios? Veja o passo a passo

#01: Defina o seu público ideal

Você pode colocar uma pasta debaixo do braço e, à moda antiga, bater na porta de cada condomínio do seu bairro até encontrar um que tenha interesse em ouvir o que você tem a dizer e (talvez) contratar os seus serviços.

No entanto, você vai perceber que existem diversos tipos de condomínios diferentes. Existem os comerciais, os verticais e os horizontais, por exemplo, além daqueles com características mais específicas, como os condomínios de praia, os luxuosos, os mais simples e por aí vai.

E ainda tem mais. Existem condomínios que preferem contratar síndicos profissionais, enquanto outros priorizam eleger síndicos moradores.

Provavelmente seguindo a lógica de atirar para todo lado, você demoraria muito mais tempo para prospectar um condomínio. Então, por onde começar?

Para dar início à sua prospecção, reserve um tempo para descobrir quem é o seu cliente ideal. Em outras palavras: com qual tipo de condomínio você deseja trabalhar?

Não presuma que só porque existem muitos condomínios comerciais na sua região, por exemplo, ele se encaixa no seu perfil de cliente ideal.

Para defini-lo, você precisa saber:

  • quais são os seus pontos fortes e habilidades que você tem;
  • como está o mercado e a demanda por síndicos nos condomínios;
  • quais são os tipos de condomínios que existem e em quais deles você gostaria de trabalhar;
  • qual a classe social e a localização dos condomínios onde você deseja atuar;
  • e qual o tamanho do condomínio ideal para você prestar os seus serviços.

Tenha a resposta para todos esses tópicos e pense sobre eles com calma, até encontrar o perfil ideal de condomínio que se encaixa na sua forma de trabalho.

Depois de finalizar essa primeira etapa, você terá um perfil desenhado e poderá usá-lo para guiar os próximos passos da sua prospecção.

#02: Trabalhe bem o seu marketing pessoal

Mas o que tem a ver prospecção de condomínios com marketing pessoal para síndicos? Tudo!

Imagina só definir o seu cliente ideal, preparar a melhor proposta possível para aquele condomínio, treinar a sua fala na frente do espelho e, no final, perder o cliente para alguém que sabe se vender melhor do que você.

É frustrante, certo?

Por isso, o marketing pessoal é uma ferramenta excelente para você se destacar no mercado, atrair atenção para o seu trabalho, mostrar aos condomínios como você aplica as suas habilidades e conquistar a confiança dos condôminos.

Então, defina:

  • a sua missão, visão e valores;
  • esteja presente nas redes sociais;
  • tenha um site bem estruturado;
  • use o google meu negócio;
  • tenha uma identidade visual;
  • emita o seu CNPJ;
  • faça networking com outros síndicos profissionais;
  • mantenha contato constante com os condôminos;
  • conte boas histórias;
  • invista em cursos de síndico profissional;
  • e cuide bem do seu visual.

#03: Defina as suas metas e objetivos

Depois de finalizar os tópicos anteriores, agora é hora de definir quais são as suas metas e objetivos, afinal de contas você não quer trabalhar no escuro, certo?

Portanto, pense sobre estes tópicos:

  • quantos clientes você quer ter na sua carteira em 6 meses? E em 2 anos?
  • quanto você gostaria de faturar por mês?
  • quanto você vai cobrar por cada condomínio? um valor fixo? um valor por unidade?
  • você pretende trabalhar sozinho ou com uma equipe?
  • quais são as vantagens e desvantagens de trabalhar com um time e também sozinho?
  • quantas visitas por semana você pretende fazer em cada condomínio?

Percebe como vai ficando cada vez mais claro? Nós estamos trilhando uma jornada, passo a passo, e mesmo que seja difícil agora pensar sobre cada ponto, ao final você terá um processo de prospecção de condomínios muito simples e será cada vez mais fácil aumentar a sua carteira de clientes.

#04: Defina o que você vai oferecer

Calma, antes de sair procurando os seus clientes, você ainda precisa ter a descrição do seu serviço na ponta da língua.

Então, a pergunta é simples e direta: você consegue resumir o que você oferece como síndico profissional em poucas linhas?

Se você não tem certeza, então comece por:

  • o que você faz e o que não oferece;
  • quais são os serviços que você presta aos condomínios;
  • qual é a descrição do seu trabalho;
  • e, por fim, qual é a sua proposta de valor em uma frase.

Não se engane ao pensar que você apenas oferece “gestão do condomínio”, é preciso ir além e utilizar as suas principais habilidades e experiências para se destacar e sair na frente.

Aproveite para ler também: Quanto cobrar pelo trabalho de síndico profissional? Veja 4 dicas úteis para melhorar a sua precificação

#05: Peça indicações

Se você está começando agora, então conseguir os primeiros clientes para a sua carteira, pode ser uma tarefa exaustiva.

Mas você tem amigos, familiares e até mesmo colegas de trabalho que moram em condomínios. Então, por que não começar por eles?

Pergunte como é a gestão dos seus condomínios atualmente, se estão com algum problema específico ou como é a atuação do síndico.

A resposta para essas perguntas pode ser a porta de entrada para você prospectar os seus primeiros clientes.

E lembre-se: não subestime o poder de uma visita.

Depois de entender quais são os condomínios em potencial, peça uma indicação e faça uma visita estratégica, ou seja:

  • faça perguntas-chave;
  • converse com os condôminos;
  • identifique pontos de melhoria;
  • veja o que os condôminos e o condomínio precisa atualmente;
  • confira se utilizam alguma tecnologia, como um aplicativo para condomínios;
  • existe alguma informação que você possa enviar para eles?
  • e, por fim, procure se informar sobre a próxima eleição do condomínio.

Você não precisa de um discurso de vendas roteirizado e robótico, mas sim de uma preparação para manter o diálogo com os condôminos e saber fazer as perguntas certas para entender as principais necessidades e problemas do condomínio.

#06: Utilize a internet para prospectar

Digamos que você já conseguiu os seus primeiros condomínios por meio da indicação de colegas, amigos, familiares ou clientes mais antigos. Então, como seguir em frente e aumentar a sua carteira?

A internet pode (e deve) ser usada para isso. E existem diversas maneiras, veja:

  • Anúncios online: existe uma maneira de pagar que para que você apareça para as pessoas certas, no seu caso, essas pessoas certas fazem parte do seu perfil de cliente ideal, ou seja, os condomínios. Neste caso, você pode utilizar o Facebook Ads ou Google Ads, por exemplo, para começar;
  • Redes sociais: as redes sociais podem ser usadas para muito mais do que postar as fotos daquela sua viagem. Você pode compartilhar uma foto dos condomínios que você atende, de uma reunião de assembleia ou contar a sua história como síndico profissional. Estas são apenas algumas ideias para você atrair clientes interessados nos seus serviços;
  • E-mails: apesar do que muita gente acredita, os e-mails não estão obsoletos. Se você tiver uma lista de e-mails de condôminos ou pessoas interessadas em serviços de síndico profissional, pode criar uma série de e-mails e enviar dicas, conteúdos ou informações úteis e que mostrem que você é especialista no assunto e um síndico profissional de destaque. Lembre-se que para fazer isso, antes de qualquer coisa, é preciso levar a LGPD em consideração e só enviar e-mails para as pessoas que autorizarem;
  • Vídeos: eu não sei se você já sabia disso, mas pesquisas apontam que 80% do conteúdo consumido pela internet em 2022 será em vídeo. Esta é uma excelente oportunidade para se apresentar, oferecer informações, contar histórias, mostrar as suas habilidades e, é claro, dar o seu melhor discurso de vendas;
  • Conteúdo: seja nas redes sociais ou em um blog, por exemplo, criar conteúdo é uma ótima maneira de mostrar para os condomínios que você realmente sabe o que faz. Você pode escrever artigos sobre problemas comuns em condomínios, pode apresentar as soluções que você ofereceria nessas situações e ainda pode incluir histórias reais do seu trabalho para aumentar a sua autoridade e credibilidade;
  • Site: assim como criar conteúdo aumenta a sua autoridade, um site também pode ser uma ferramenta para aderir valor à sua imagem pessoal, afinal é lá onde você vai falar sobre você, suas certificações, sua história, condomínios atendidos e resultados. É um verdadeiro portfólio do seu trabalho centralizado em um mesmo local.

#07: Torne-se mais do que um síndico profissional

Não entendeu? Eu vou resumir: cuidado para não ficar preso na parte técnica da gestão condominial e esquecer que você ainda é um ser humano, assim como os seus condôminos.

Portanto, você precisa ir além dos assuntos sobre gestão, finanças ou processos condominiais. Também é importante saber muito sobre:

  • relações interpessoais;
  • comunicação;
  • liderança;
  • empatia;
  • automotivação;
  • autocontrole;
  • colaboração;
  • inteligência emocional;
  • criatividade;
  • persuasão;
  • adaptabilidade;
  • resiliência.

Além de melhorar essas habilidades, você também pode mostrar, durante uma prospecção ou nas suas redes sociais, como você as aplica no dia a dia.

As pessoas querem saber se você entrega uma gestão de qualidade e, é claro, isso será um fator decisivo para a contratação dos seus serviços.

#08: Faça bastante networking

Aqui entra um outro elemento chave para garantir uma boa prospecção de condomínios: o networking.

Um bom networking garante que você vai ficar por dentro das novidades do mercado, saber como outros síndicos trabalham, gerar autoridade, conseguir oportunidades de crescimento, conseguir indicações e muito mais.

Em outras palavras: você só tem a ganhar.

Veja algumas maneiras de melhorar o seu networking:

  • participe de eventos para condomínios, síndicos e administradoras;
  • esteja presente no LinkedIn;
  • participe de grupos nas redes sociais, como o Facebook, WhatsApp ou Telegram;
  • seja prestativo e compartilhe o que você sabe, seja nas redes sociais ou em eventos;
  • crie relacionamentos com fornecedores, prestadores de serviços e outros síndicos profissionais.

Esse não é um trabalho simples e que gera resultados da noite para o dia, mas cultivar bons relacionamentos com outras pessoas, pode ajudar você a prospectar novos condomínios com ainda mais rapidez.

#09: Acompanhe, acompanhe, acompanhe

Por fim, lembre-se que os frutos do seu trabalho geralmente não resultam em fechamentos de contratos já no primeiro contato e isso requer um trabalho constante.

Ou seja, persista no relacionamento com condomínios, faça ligações, envie e-mails, encaminhe informações, fortaleça o seu marketing pessoal e não desista.

Enquanto você se mantiver ativo, maiores serão as chances de você prospectar ainda mais condomínios.

Chegamos ao final deste artigo, então se você acredita que estas dicas foram úteis e deseja dar um passo além, então eu te convido a conhecer o E-book A escalada do síndico: 5 dicas para conquistar mais condomínios. Baixe agora e destaque-se no mercado.

Guia completo do marketing pessoal para síndicos profissionais (O passo a passo definitivo)

Guia completo do marketing pessoal para síndicos profissionais (O passo a passo definitivo)

O marketing pessoal para síndicos profissionais é uma estratégia que utiliza ferramentas do marketing tradicional para que os profissionais promovam a sua imagem, tenham mais autoridade no mercado e consigam ainda mais clientes. Veja por onde começar!

Com o crescimento da acessibilidade à informação, tornou-se mais fácil estudar novos temas e iniciar uma nova carreira, como a de síndico, por exemplo.

Por outro lado, isso também fez com que a competitividade também aumentasse. 

Portanto, aplicar o marketing pessoal para síndicos profissionais é imprescindível, pois você será capaz de estabelecer uma marca que não apenas o represente, mas que também ajude o mercado a reconhecê-lo como especialista no assunto e autoridade na área em que atua.

Neste artigo, você vai encontrar o passo a passo definitivo para colocar o seu marketing pessoal em prática e atrair novos condomínios. Confira!

O que é marketing pessoal?

Imagine a seguinte situação: Joana é síndica do prédio onde mora há quase 4 anos.

Durante este período, ela aprendeu tudo sobre gestão condominial, como ser uma síndica excelente e entregar os melhores resultados ao seu condomínio.

Apesar disso, Joana percebeu que não conseguia se destacar no mercado, entre tantos outros síndicos profissionais, e prospectar outros condomínios.

Com o tempo, ela percebeu que havia outros síndicos no mesmo nível profissional que ela, ou mesmo com menos tempo de experiência, mas que conseguiam se promover com muito mais facilidade. Tudo isso graças ao que eles fizeram com as suas imagens pessoais.

A Joana é uma personagem fictícia, é claro, mas ela representa muitos síndicos reais que, apesar de possuírem muito conhecimento técnico, ainda não sabem como vender a sua própria imagem.

É aí que entra o marketing pessoal. Esta estratégia pode ser utilizada para que você se destaque entre os seus concorrentes, desenvolva a sua imagem pública e a torne cada vez mais atrativa.

Quanto mais você trabalha na sua imagem, maiores são as chances de ser notado não só pelo mercado, mas também pelos seus potenciais clientes.

Para que serve o marketing pessoal para síndicos profissionais?

Se você souber utilizar essa estratégia do jeito certo, conseguirá conquistar a carreira de síndico profissional que tanto deseja.

Afinal, ao valorizar as suas habilidades e diferenciais, também será possível conquistar o primeiro ou mais condomínios para a sua carteira de clientes, ganhar mais dinheiro e se tornar uma autoridade no seu mercado. Veja outras vantagens:

Atraia mais atenção para o seu trabalho

Conquistar espaço no mercado condominial não é uma tarefa fácil, mas quando você consegue atrair atenção para aquilo que faz, as chances de se destacar crescem.

Por isso, aplicando técnicas de marketing pessoal corretamente, você irá elevar a sua autoridade e prospectar ainda mais condomínios para a sua carteira de clientes.

Mostre aos potenciais clientes como você aplica as suas habilidades

O marketing pessoal, por meio das redes sociais, apresentações ou portfólio, também é uma chance para mostrar aos potenciais clientes como você aplica as suas habilidades no dia a dia dos condomínios.

Não tenha medo de mostrar os seus resultados, desafios, conflitos e também o seu processo para solucionar todos os problemas. Uma outra sugestão é fotografar o seu novo condomínio e publicar nas suas redes sociais ou portfólio, convidar um morador para falar sobre o seu trabalho ou publicar um print com um depoimento de alguém sobre você.

É isso que a maioria dos condôminos deseja saber quando estão à procura de um síndico profissional.

Mas atenção: cuidado para não deixar dados sensíveis públicos, como informações pessoais de outros condôminos, números privados dos condomínios ou outros números ou documentos que não podem ser disponibilizados para qualquer pessoa. E, é claro, lembre-se de sempre pedir autorização antes de divulgar qualquer informação.

Conquiste a confiança dos condôminos

Construir uma boa reputação e autoridade para si mesmo também é uma etapa crucial para conquistar a confiança dos seus condôminos.

O marketing pessoal oferece as ferramentas certas para que você consiga construir um relacionamento com os seus clientes, evoluir as suas habilidades e demonstrar, de forma clara, que você é capaz de oferecer os melhores resultados aos condomínios.

Como fazer o seu marketing pessoal?

Identifique a sua missão, visão e valores

Para construir uma imagem forte, você precisa ter certeza de quais são os seus valores, crenças, ideias e a sua própria visão de mundo. Para dar os primeiros passos nessa construção, você pode definir a boa e velha missão, visão e os seus valores.

Portanto:

  • Missão: defina os motivos que lhe movem e aquilo que você pretende enxergar para os seus condomínios;
  • Visão: este é o seu planejamento a longo prazo. Defina onde você deseja estar daqui há alguns anos;
  • Valores: aqui você escreve tudo aquilo que você defende, acredita e sonha. São aqueles valores inegociáveis, que você seria capaz de bater na mesa para defender.

Trabalhe bem as suas redes sociais

Já faz alguns anos que as redes sociais deixaram de ser um espaço para publicar fotos de pratos de comida ou das viagens e se tornaram uma ferramenta poderosa de trabalho.

Não é à toa que muitos síndicos profissionais já as utilizam diariamente para alavancar a sua marca pessoal e também prospectar novos condomínios.

Conheça alguns deles:

  1. Wagner Vieira – Síndico profissional
  2. SE7E Gestão de Condomínios
  3. Loremberg – Síndicos profissionais
  4. WMA – Síndico profissional

Veja algumas dicas para começar a usar as suas redes sociais para se tornar um síndico profissional de sucesso:

  1. Escolha uma única plataforma e tenha consistência. Pode ser tentador ter um perfil no Instagram, outro no LinkedIn e ainda publicar vídeos no YouTube. No entanto, se você trabalha sozinho, não será nada fácil dar conta de todos esses canais e ainda ter certeza de que todos os seus condomínios estão bem. Por isso, escolha o canal que você mais se sente à vontade para produzir conteúdo, que você realmente for produzir e seja consistente. A consistência e o foco são duas ferramentas poderosas para o seu sucesso nas redes sociais;
  2. Decida qual o tipo de condomínio que você deseja trabalhar. Talvez você esteja pensando em atingir todos os condomínios da sua região, mas, provavelmente, não sabe que esse não é o melhor caminho. Para se destacar nas redes sociais e conseguir mais clientes, você precisa definir o cliente, ou seja, aquele tipo de condomínio que você deseja trabalhar. Comece pensando em dois tipos e, à medida que for evoluindo, poderá adicionar outros perfis. Pense sobre os seus pontos fortes, o mercado onde você deseja atuar, o tipo de condomínio (horizontal, vertical ou comercial), a classe social e se você deseja trabalhar com condomínios maiores, menores, novos, mais antigos, etc. Reúna essas informações e escreva qual o tipo de cliente ideal. É para ele que você vai produzir posts nas redes sociais;
  3. Crie conteúdos únicos e relevantes. Tenha o cuidado para não copiar posts de outras pessoas ou reproduzir frases sem dar o devido crédito. Você pode achar que a internet é grande demais para alguém perceber, mas, em algum momento, isso pode destruir a sua credibilidade nas redes sociais e afetar a sua autoridade como síndico. Por isso, mesmo que você tenha inspirações, encontre os seus próprios pontos de essência e crie conteúdos originais, únicos e relevantes para o seu público. Uma opção para quem não tem muito tempo é contratar um especialista em redes sociais ou uma agência de marketing para fazer esse trabalho por você;
  4. Conte a sua história e seja genuíno. Apesar de ser um espaço profissional, as redes sociais também refletem a sua essência e, para isso, você pode usar a sua história ao seu favor. Contá-la na internet pode ser uma excelente maneira de se conectar com as pessoas, gerar identificação, fortalecer a sua identidade e também mostrar personalidade. Mas, lembre-se: nem tudo é só sobre você. Por isso, escolha uma história sua e apresente uma solução ao final dela;
  5. Siga as redes sociais da TownSq. Atualmente nós estamos presentes no Instagram, LinkedIn, Facebook, YouTube e Pinterest. Em todos os canais, você encontra conteúdos sobre gestão condominial, ideias e referências que você pode aplicar nas suas redes sociais e também diversos posts para compartilhar com os seus moradores.

Crie o seu site

Se você não tem tempo ou interesse em criar um perfil em uma rede social e alimentá-lo com conteúdos para atrair novos clientes, uma boa saída é criar o seu próprio site.

Neste ambiente, você poderá:

  • expor o seu trabalho como síndico profissional;
  • apresentar a sua história, experiência, habilidades e certificações;
  • inserir depoimentos de moradores ou parceiros;
  • se posicionar como especialista em gestão condominial (ou em um tipo de condomínio específico, por exemplo);
  • atrair mais pessoas para crescer o seu negócio;
  • e, por fim, também poderá escrever artigos para o seu site e apresentar resultados, imagens ou trabalhos de sucesso que você já realizou.

Para ter um site você precisa, basicamente, de um domínio, hospedagem e um bom tema. Em ambos os casos, você poderá contratar um profissional ou uma agência de marketing ou poderá pesquisar materiais na internet e montar o seu site sozinho.

Use o Google Meu Negócio

Uma outra forma de potencializar o seu marketing pessoal é por meio de uma ferramenta chamada Google Meu Negócio. Ela pertence ao Google e é 100% grátis.

O seu funcionamento é muito simples. Quando um condômino pesquisar por “síndico profissional” ou outras palavras relacionadas no Google, ele encontrará mais informações sobre a sua empresa, como endereço, horário de funcionamento, fotos, avaliações e outros dados.

Veja este exemplo. Ao buscar por TownSq, é possível ter acesso à diversas informações na lateral direita da página:

google meu negócio townsq

Cadastrar a sua empresa de síndico profissional no Google Meu Negócio ajuda a ampliar a sua presença no digital, expandir a sua marca pessoal e torná-lo ainda mais conhecido e acessível para novos clientes.

Veja como se cadastrar:

  1. Acesse a página inicial do Google Meu Negócio e clique em “gerenciar agora”;
  2. Preencha as informações sobre a sua empresa, como nome, categoria e dados pessoais, por exemplo, e confirme em seguida;
  3. Siga o passo a passo na tela para confirmar que a conta é realmente sua, por meio de um código que será enviado ao seu celular;
  4. Pronto! Você será redirecionado para a página do seu negócio no Google e poderá adicionar imagens, outros dados ou fazer publicações;
  5. BÔNUS: Lembre-se de sempre pedir para que outras pessoas, como parceiros e moradores, possam fazer uma avaliação sua no Google Meu Negócio, afinal isso vai facilitar que outros clientes tomem a decisão de contratar você.

Crie a sua logo de síndico profissional

A identidade visual é um dos principais elementos que tornam uma marca forte no mercado. E isso não seria diferente para os síndicos profissionais.

Uma das maneiras de destacar a sua marca pessoal é tendo um logotipo, por meio do qual o público vai identificar o seu serviço entre tantos concorrentes.

Neste caso, você poderá utilizar plataformas gratuitas de design gráfico, como o Canva, ou contratar um profissional designer ou uma agência de comunicação para ajudá-lo a construir a sua identidade.

Tenha o seu CNPJ

Emitir notas fiscais não é o único benefício em ter um CNPJ. Outras vantagens envolvem evoluir profissionalmente e se apresentar como uma empresa aos seus clientes, trabalhar de acordo com a lei e ter acesso a mais possibilidades de negócios.

Para isso, você precisa:

  1. Ter um profissional contábil de confiança para o acompanhar na profissão de síndico;
  2. Ter um capital inicial para “abrir as portas” do seu negócio com origem fiscal comprovada;
  3. Ter um endereço fiscal, mesmo que seja o endereço da sua própria casa;
  4. Emitir o e-CPF A1, que se trata de um certificado autenticado digital, como uma espécie de CPF eletrônico;
  5. Ir até a Junta Comercial para emissão do Ato Constitutivo, que é uma espécie de “certidão de nascimento” da sua empresa;
  6. Emitir o seu CNPJ por meio da Junta Comercial ou diretamente na Receita Federal, dependendo do estado onde você se encontra;
  7. Emitir o alvará de funcionamento junto à prefeitura;
  8. E, por fim, ter um contrato de trabalho para começar a prestar serviços aos seus condomínios.

Faça networking com outros síndicos profissionais

Para ser um bom síndico profissional, não significa que você precisa ignorar todos os outros síndicos e se isolar do mundo, afinal o networking também é uma etapa importante para fortalecer o seu marketing pessoal.

Você faz isso quando:

  • participa de eventos;
  • interage com outros síndicos e especialistas do mercado;
  • comenta posts de outros síndicos profissionais;
  • compartilha e reposta outros conteúdos;
  • constrói um relacionamento e realiza parcerias;
  • e é um agente ativo da comunidade de síndicos profissionais.

São ações simples que você pode colocar em prática aos poucos, mas demonstra que você é um profissional acessível e abre inúmeras portas para novas oportunidades de trabalho e propostas melhores.

Mantenha contato constante com os seus condôminos

Construir um bom marketing pessoal para síndicos profissionais, não significa apenas focar em atrair novos clientes, mas também manter o contato constante com os clientes que já estão na sua carteira.

Portanto, jamais se esqueça dos seus condôminos e, se possível, tenha uma lista com o contato deles, de forma organizada, e mantenha a comunicação ativa.

Você pode fazer isso ao informar que existe um canal de comunicação aberto por meio do aplicativo do condomínio, por exemplo.

Esta é uma maneira de deixar uma contribuição genuína para os seus clientes, que vai além do seu trabalho diário rotineiro, e fortalecer a sua autoridade como síndico profissional.

Conte boas histórias para o seu público

Uma característica constante dos principais empreendedores e líderes de sucesso é o storytelling. Você já ouviu falar? Esse é um termo em inglês que, de forma geral, significa a arte de contar histórias e transmitir uma mensagem de maneira inesquecível.

E, é claro, ela também é peça-chave para o marketing pessoal de síndicos profissionais.

O importante aqui é entender que a histórias geram identificação com o seu público, despertam emoções e os ajuda a tomar uma decisão, como escolher você como o síndico de um condomínio, por exemplo.

Para contar boas histórias nas suas redes sociais, você pode:

  • Usar uma história para servir de exemplo ou ilustração, facilitando o entendimento de um tema;
  • Humanizar as suas redes sociais, despertando alguma emoção ou criando narrativas que envolvam histórias da sua vida pessoal ou profissional nos condomínios;
  • Contar a trajetória da sua marca de síndico profissional e relembrar os desafios, conflitos ou vitórias;
  • Criar posts que dialoguem entre si e ir destrinchando a sua histórias aos poucos, ao longo de vários posts.

Invista na sua qualificação

Seja em termos profissionais ou de desenvolvimento profissional, o investimento em qualificação, como um curso de síndico profissional, também é crucial para fortalecer a sua imagem, o seu marketing pessoal e também as suas habilidades.

Entre as principais vantagens, podemos destacar:

  • Ter um direcionamento de aprendizado;
  • Atualização do conhecimento em gestão condominial;
  • Evolução da sua carreira de síndico profissional;
  • Ter um certificado que vai comprovar o seu conhecimento;
  • E, por fim, aprender a se destacar no mercado condominial.

marketing pessoal para síndicos profissionais

Cuide bem do seu visual

O visual, seja o design dos seus posts ou a sua aparência, é um elemento poderoso para se fixar na mente das pessoas e fazer com que:

  • elas lembrem de você;
  • interajam com você;
  • compartilhem os seus posts nas redes sociais;
  • indiquem o seu trabalho;
  • e, é claro, contratem você.

Se você não tem uma identidade forte, então é muito provável que, simplesmente, seja esquecido da mente das pessoas e abra espaço para o seu concorrente.

Para isso, você pode:

  • Utilizar o Canva para criar posts para as suas redes sociais;
  • Contratar um profissional designer para desenvolver a sua identidade visual;
  • Escolher um fotógrafo da sua cidade e fazer uma sessão de fotos que transmita os seus valores e seja diferente e autêntica.

Agora que você já entende a importância de um bom marketing pessoal para síndicos profissionais, chegou o momento de dar um passo além. Confira o e-book A escalada do síndico: 5 passos para conquistar mais condomínios e expanda a sua carreira, conquiste mais condomínios e destaque-se no mercado. Boa leitura!

Curso de síndico profissional online: como escolher a melhor certificação?

Curso de síndico profissional online: como escolher a melhor certificação?

De acordo com a ABRASSP, Associação Brasileira de Síndicos e Condomínios, existem mais de 420 mil síndicos no Brasil. E, somente em São Paulo, a busca por um curso de síndico profissional cresceu 25% em 2021.

Isso significa que, cada vez mais, os síndicos têm procurado aprender novas técnicas, desempenhar o seu papel de maneira mais profissional e adotar tecnologias para administrar os condomínios com maior eficiência.

Neste contexto, resta apenas uma dúvida: como você pretende se destacar?

Um curso de síndico profissional pode ser o passo inicial, por isso, a seguir, você confere por que fazer um curso desse tipo e onde encontrar os melhores do mercado. Continue lendo!

O que é preciso para ser um síndico profissional?

Muitos querem ingressar nesta profissão, mas para isso é preciso ter o conhecimento necessário para atuar em condomínios. Veja quais são eles:

#01: Inteligência emocional

O conhecimento técnico, ainda que importante, tem se mostrado insuficiente para lidar com todas as complexidades da rotina de um síndico profissional.

Por isso, uma das principais habilidades de um síndico de sucesso é a capacidade de administrar bem as emoções e ter inteligência emocional para lidar com crises e promover uma boa resolução de conflitos no condomínio.

Cautela, racionalidade e até mesmo distanciamento para avaliar cada situação isoladamente e tomar uma boa decisão, são apenas algumas das características emocionais que são relevantes em uma boa gestão condominial.

#02: Administração, contabilidade e finanças

Condomínios residenciais ou comerciais, em sua grande maioria, envolvem muitas contas, altos valores e diferentes formas de pagamento.

Neste sentido, é comum que os moradores cobrem por uma maior transparência financeira diretamente ao síndico, bem como a prestação de contas.

No art. 1.348 do Código Civil, está definido que compete ao síndico prestar contas à assembleia anualmente ou sempre que essas informações forem exigidas.

É por este motivo que, em casos de problemas contábeis como fraudes, desvios de dinheiro ou superfaturamento de obras, os próprios síndicos são processados juridicamente.

Para evitar qualquer problema na Justiça, o síndico deve adicionar na sua lista de habilidades, os conhecimentos em administração, contabilidade e finanças, mesmo que ele contrate um profissional para auxiliar nestas atividades.

#03: Gestão de pessoas

E por falar em contratação de profissionais para o condomínio, não poderíamos deixar de mencionar a importância da gestão de pessoas na rotina de um síndico profissional.

O art. 1.348 do Código Civil explica que zelar pela conservação das áreas comuns do condomínio é uma das obrigações do síndico, logo coordenar funcionários em prol da preservação do empreendimento também pode ser considerada uma das responsabilidades de um síndico profissional.

Afinal, os colaboradores são importantes para que tudo ocorra em perfeita harmonia e o trabalho no condomínio torna-se cada vez mais aprimorado.

#04: Direito condominial

O Direito Condominial é uma área do Direito que aborda os principais tópicos e normas relacionadas ao condomínio.

É importante que o síndico profissional tenha conhecimento destas informações, bem como do conteúdo das leis, para que aja de acordo com a legislação brasileira, evitando problemas na justiça.

#04: Boa comunicação

Sem boas práticas de comunicação no condomínio, um síndico profissional não consegue fazer uma administração e cultivar o bom relacionamento com os condôminos e os funcionários.

Afinal, de nada adianta um síndico fazer várias tarefas diferentes, se as pessoas não souberem da existência delas. Bem como, não adianta o síndico comunicar sobre tudo e não fazer absolutamente nada.

Por isso, uma boa rotina de comunicação e canais claros com o condomínio, auxilia a propagar a mensagem da maneira correta.

E tem mais. É por meio dessa prática que é possível enxergar as necessidades das pessoas, ter mais empatia e ser compassivo, possibilitando a resolução de problemas e conflitos com mais leveza e rapidez.

#05: Organização

A vida de síndico não é fácil, imagine então a vida de quem é síndico profissional e precisa gerir 1, 5 ou 30 condomínios ao mesmo tempo.

São muitas obrigações, papeladas, imprevistos e outras complexidades recorrentes. Muitas vezes, tudo acontece ao mesmo tempo.

A organização surge como centro desta questão e é uma habilidade primordial neste contexto.

#06: Disciplina

Geralmente, quando não se tem foco e disciplina, é porque existem muitas atividades disputando a sua atenção ao mesmo tempo, como as notificações do grupo de WhatsApp do condomínio, as solicitações dos moradores, as diversas planilhas que precisam ser preenchidas, entre outras.

Em algum momento, você vai deixar de prestar atenção em uma destas coisas e focar mais em outra.

Ou pior: você vai tentar resolver tudo de uma vez e, no final do dia, não vai ter finalizado quase nada.

Por ter uma rotina tão complexa, essas situações são corriqueiras no dia a dia de um síndico profissional. E, ao contrário do que muitos pensam, compreendemos que para ser produtivo não é preciso estar ocupado o tempo todo, mas sim ter disciplina.

#07: Gestão do tempo

Por fim, depois de todas as habilidades anteriores, é fácil identificar a gestão do tempo como mais uma das capacidades a serem desenvolvidas pelo síndico profissional, certo?

O primeiro passo é descobrir como planejar a sua gestão do tempo, como:

  • montando um quadro de avisos que esteja em um ambiente de fácil visualização;
  • criando e atualizando, por meio de uma rotina programada, planilhas de controle de gastos, controle financeiro, controle de tempo, etc;
  • adotando uma ferramenta de gestão de atividades, como o Trello, Asana ou Evernote;
  • ou, por fim, adotando uma tecnologia específica para gestão de condomínios, como o TownSq, que centraliza todos os tópicos anteriores em único local.

Leia também: Síndico profissional: o que é, como trabalha e quanto ganha?

Por que fazer um curso de síndico profissional?

Fazer um curso de gestão condominial pode ser útil para diversos síndicos em diferentes momentos da carreira. Entre as principais vantagens, podemos destacar:

Ter um direcionamento de aprendizado

Fazer um curso de síndico profissional pode trazer um entendimento ainda mais completo sobre o mercado de gestão condominial, gerando economia de tempo e até de dinheiro, já que o profissional terá um direcionamento eficiente que o ajudará constituir a sua empresa e tomar as melhores decisões nos seus condomínios, além de ter acesso à dicas com especialistas que o ajudarão a proporcionar resultados positivos para os condomínios.

Atualização do conhecimento

Um curso desse tipo é também um recurso valioso de capacitação e de constante atualização para a realização das principais atividades no condomínio, além de ser um grande diferencial para os síndicos profissionais que desejam prospectar novos condomínios.

Evoluir na carreira profissional

Já para os síndicos iniciantes ou síndicos moradores que desejam ir além, o curso de síndico profissional é uma ótima opção para complementar os conhecimentos, se destacar e responder à demanda do mercado com as melhores habilidades.

Ter um certificado que comprove o seu conhecimento

Além do direcionamento e conhecimento adquirido durante o curso, você também terá, ao final, um certificado para comprovar tudo o que você aprendeu e também elevar a confiança dos condôminos em relação ao seu trabalho.

Aprender a se destacar no mercado condominial

Conhecimento técnico é importante, porém não é suficiente para você ser visto pelo mercado.

Por isso, em um curso de síndico profissional você também terá acesso a estratégias e boas práticas de marketing pessoal, marketing digital, prospecção de novos condomínios e até mesmo comunicação e oratória. Tudo isso para que você se torne um síndico de destaque no mercado condominial e seja visto por mais condomínios.

Como escolher o melhor curso de síndico profissional?

Escolher o melhor curso de síndico profissional do mercado, pode ser um grande desafio. Por isso, a seguir você confere por onde começar e como fazer essa escolha:

1. Defina quais são as suas expectativas e prioridades no momento

Isso é muito importante. Afinal, você pode ter conhecimento técnico da área condominial, mas deseja melhorar as suas habilidades de comunicação, por exemplo.

Portanto, não faria sentido adquirir um curso técnico, mas sim procurar um conhecimento mais estratégico.

A dica é listar o seu principal objetivo ao adquirir um curso de síndico profissional e guiar-se por ele.

2. Conhecer a fundo cada curso

Depois de pensar no seu objetivo, fica mais procurar os cursos certos. Portanto, neste momento, você já deve ter uma lista de possíveis cursos para analisar ou áreas que você deseja estudar.

Como a internet é vasta e possui informações sobre os mais diversos assuntos e cursos, então, com esta lista, é hora de conhecer a fundo sobre cada curso. Para facilitar, observe:

  • quantidade de horas totais de cada curso;
  • flexibilidade de horários de estudo;
  • se os professores são especialistas no mercado condominial;
  • se os cursos oferecem materiais complementares;
  • custo-benefício;
  • e, por fim, conferir os feedbacks de outros alunos.

3. Ver feedbacks de outros alunos

E por falar em feedback, essa é uma etapa muito importante na hora de escolher um curso de síndico profissional e você não deve pulá-la.

Para saber se o curso vale realmente a pena, você pode conferir quem já o fez. Por isso, procure verificar se a empresa que oferece o curso possui vídeos ou depoimentos de ex-alunos, o que eles falam e quais foram os seus resultados.

Estas informações podem ser bastante úteis no momento de você tomar a sua decisão.

4. Fazer uma pesquisa detalhada sobre a empresa

Escolher um curso de síndico profissional também envolve analisar a empresa que o oferece, para ter certeza das vantagens, do nível dos professores e da qualidade do ensino.

Por isso, você pode conferir:

  • indicadores de qualidade, como a nota que os alunos dão à empresa e também ao curso;
  • qualificação dos professores;
  • grade curricular;
  • modalidade de ensino;
  • se a empresa oferece ensino à distância;
  • e se os conteúdos são práticos e objetivos.

Qual o melhor curso de síndico profissional?

Quer se tornar um síndico profissional de destaque no mercado condominial, proporcionar os melhores resultados aos seus condôminos e ainda uma grande carteira de clientes?

Tudo isso é possível ao escolher o curso certo do mercado. Existem uma variedade de opções disponíveis, mas nós listamos a seguir os três melhores cursos da empresa líder em administração de condomínios do mundo: a TownSq. Veja:

Curso Gestão Condominial de Resultado

O curso Gestão Condominial de Resultado é ideal para os síndicos que desejam compreender os principais assuntos da gestão condominial, desejam entregar uma estratégia eficaz e proporcionar um crescimento exponencial aos seus condomínios.

O curso é estruturado através de esferas e módulos:

  • A primeira esfera tem como foco o síndico (módulos 1 e 2);
  • A segunda esfera fala a respeito do condomínio (módulos de 3 a 7);
  • E, por fim, a terceira esfera trata da comunidade (módulos 8 e 9).

Essa jornada começa explorando as ferramentas que vão garantir o seu sucesso e os pilares da prática profissional do síndico. Veja tudo o que você vai aprender:

  • Legislação condominial;
  • Gestão de pessoas;
  • Gestão financeira;
  • Habilidades do síndico;
  • Como elaborar os principais documentos do condomínio, como a Convenção de Condomínio, Regimento Interno, Ata, etc;
  • Tudo sobre reunião de assembleia;
  • Obras e manutenções no condomínio;
  • Segurança no condomínio;
  • Direitos e deveres da comunidade;
  • Relacionamento com as comunidades.

Qual a duração do curso? São 10 módulos e 7 horas de curso, além de acesso à materiais complementares exclusivos, modelos de documentos, indicações de livros para síndicos e mais.

Clique aqui para saber mais e começar a sua primeira aula.

Curso Síndico Profissional TownSq: O Novo Empreendedor de Sucesso

O curso Síndico Profissional TownSq é ideal para os síndicos que desejam se tornar referência no mercado, queiram adquirir mais condomínios, obter mais liberdade, tempo livre e dinheiro.

Este curso é estruturado em 5 módulos diferentes que abordam o mindset do síndico de sucesso, abertura de empresa, vendas e marketing, posicionamento e dicas sobre a carreira de síndico

Veja alguns dos conteúdos que você vai aprender:

  • Técnicas de vendas;
  • Estratégias de precificação;
  • Networking;
  • Dicas para a eleição no condomínio;
  • Como conquistar mais condomínios
  • Marketing digital e Marketing pessoal para síndicos;
  • Redes sociais;
  • Como obter o CNPJ;
  • E muito mais.

Qual a duração do curso? São 5 módulos, 8 especialistas e mais de 4 horas de curso, além de acesso à materiais complementares exclusivos, modelos de documentos, indicações de livros para síndicos e mais.

Clique aqui para saber mais e começar a sua primeira aula.

Como funciona um curso de síndico profissional

Como você já sabe, a profissão de síndico profissional ainda não é regulamentada e, portanto, não existe uma graduação específica para esta demanda.

No entanto, é muito importante que você procure certificações e cursos para se diferenciar no mercado condominial, realizar a gestão dos condomínios da maneira correta e se tornar um síndico de destaque.

Você vai perceber que, na maioria destes cursos livres, não é necessário ter nenhuma formação anterior ou experiência específica na área para aprender, basta força de vontade.

Em relação à grade curricular dos cursos de síndico profissional, apesar das variações, geralmente as abordagens incluem os seguintes assuntos:

  • Gestão de pessoas;
  • Direitos e deveres do síndico;
  • Detalhes sobre a lei de condomínio, incluindo as leis federais, estaduais e municipais;
  • Administração do condomínio;
  • Documentos do condomínios;
  • Reuniões de assembleias;
  • Gestão de conflitos;
  • E mais.

Existem muitos cursos presenciais, mas você pode encontrar a maioria sendo oferecidos em formato EAD, ou seja, na modalidade de ensino à distância e 100% online.

A vantagem desta modalidade é ter flexibilidade e autonomia nos seus estudos

Isso significa que mesmo que você tenha um trabalho formal durante o dia e seja um síndico durante à noite, ainda poderá fazer um curso de síndico profissional, pois estará livre para montar o seu horário e estudar no momento e local que for melhor pra você.

E, por fim, a conclusão do curso também acontecerá no tempo que você tiver disponível e a quantidade de horas semanais para os estudos será definida por você.

Agora é com você!

Chegamos ao final deste texto, mas a sua jornada só está começando. Tenha em mente que, mesmo escolhendo o curso ideal, os resultados não virão da noite para o dia.

Por isso, mantenha a sua organização, foque nos seus estudos e aplique as técnicas para alavancar a sua carreira de síndico profissional.

Se você acredita que um curso de síndico profissional faz sentido para o seu momento de carreira, então chegou a hora de escolher por onde começar. Clique aqui para conhecer os cursos da TownSq.

Síndico profissional: o que é, como trabalha e quanto ganha?

Síndico profissional: o que é, como trabalha e quanto ganha?

Um síndico profissional é um gestor especializado que tem como objetivo administrar um condomínio, sem necessariamente morar nele. Continue lendo e veja os principais deveres, vantagens e como se tornar um síndico de sucesso.

Você sabia que mais de 68 milhões de pessoas moram em condomínios no Brasil? 

Estima-se que circulam entre os condomínios cerca de 165 bilhões de reais por ano, conforme dados da Associação Brasileira de Síndicos e Síndicos Profissionais (ABRASSP).

E você sabia que todo condomínio precisa ter obrigatoriamente um síndico? Então, é só fazer os cálculos para perceber que essa é uma profissão com muito potencial de crescimento. 

A remuneração de um Síndico Profissional é paga a partir das taxas ou cotas condominiais, que é aquela contribuição mensal dos moradores ao condomínio. Essa contribuição é obrigatória. 

Quem possui um imóvel em condomínio ou aluga um precisa pagar a taxa. Então, podemos dizer que essa é uma profissão, de certa forma, a prova de crises. Pois a necessidade do síndico e os recursos que pagam sua remuneração são obrigações previstas em lei. Além disso, essa é uma profissão que não exige necessariamente o trabalho 8 horas por dia, 40 horas por semana.

É comum encontrarmos Síndicos Profissionais trabalhando em mais de um condomínio, sem precisar sair de casa todos os dias. É porque a profissão proporciona flexibilidade.

Com tudo isso, é difícil não se interessar pela profissão, certo? Mas você sabe quanto esse profissional ganha? E como alguém se torna um Síndico Profissional? Continue lendo para saber mais.

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.

O que é um síndico profissional?

O síndico profissional é um gestor especializado contratado para gerenciar um ou mais condomínios. O principal ponto de diferença entre um síndico morador e um síndico profissional, é que este profissional foi treinado para exercer essa função e possui todo o conhecimento necessário para lidar com questões jurídicas, técnicas, de gestão de pessoas, etc.

Além disso, ele pode ou não ser morador do condomínio que gerencia.

É importante destacar que o síndico profissional não, necessariamente, precisa ser um morador do condomínio, pois a lei brasileira permite que o síndico seja alguém de fora.

Ele possui as mesmas responsabilidades e funções que qualquer síndico e atua como um representante legal do condomínio, prezando pela decisão da maioria e pelo que diz a legislação, mas sem estar sujeito às regras que foram estabelecidas aos condôminos e com autonomia para aplicar as medidas que forem cabíveis para manter a ordem no local.

Para escolher um síndico profissional, primeiro é necessário que haja uma reunião de assembleia do condomínio e seja implementada uma eleição para a escolha, mesmo que o profissional seja contratado.

A importância do síndico profissional para o condomínio

O síndico profissional supre um problema que aflige milhares de condomínios Brasil afora: moradores que não têm tempo, conhecimento ou até mesmo interesse de atuar como síndico.

Pense na seguinte situação:

Quem você escolheria para cuidar do seu negócio? Uma pessoa que aceitou a tarefa por obrigação ou pressão dos colegas ou um profissional que estudou gestão, administração e liderança, e ainda traz consigo uma bagagem de experiências no setor?

Quando um condomínio não tem moradores motivados e/ou qualificados para atuar como síndico, vale mais a pena deixar a responsabilidade nas mãos de alguém treinado e de confiança.

Nesses casos, vale a pena para o condomínio contratar um síndico profissional.

Por não ter vínculo de moradia ou propriedade com o local, o síndico profissional provavelmente será mais objetivo na hora de tomar decisões.

E além disso, também fica mais cômodo para os condôminos tirarem dúvidas, fazerem cobranças ou críticas, sem o medo de criar um clima ruim no dia a dia do condomínio.

6 benefícios de ter um síndico profissional no seu condomínio

Como citado, a manutenção de um condomínio é um verdadeiro desafio e nem sempre os moradores estão dispostos a exercer esse importante papel.

Por isso, contratar um síndico profissional para o seu condomínio pode ser uma tarefa importante.

Pensando nisso, confira a seguir 6 benefícios para contratar um síndico profissional.

#01: Maior qualificação para gerir o condomínio

Os condomínios têm se tornado cada vez mais complexos e com demandas ainda maiores, por isso, o primeiro benefício de um síndico profissional para o seu condomínio é a qualificação.

O síndico profissional é um trabalhador que se qualificou para gerenciar condomínios, por isso a sua área de especialização vai desde gestão financeira, pessoas e administração.

Ou seja, o seu condomínio vai contar com um profissional altamente capacitado para realizar todas as demandas e necessidades dos moradores.

#02: Dedicação exclusiva às demandas do condomínio

O síndico morador pode até ser uma pessoa muito voluntariosa, que dedica o seu tempo livre para organizar o condomínio.

Mas na maioria das vezes, essa pessoa já conta com outro emprego e não consegue se dedicar da maneira correta ao prédio. Diferente do síndico profissional, cuja função e especializações são voltadas para a  rotina do condomínio.

Além disso, um síndico profissional de qualidade possui uma equipe, parceiros e especialistas para ajudá-lo, garantindo que o condomínio funcione bem e que os problemas sejam resolvidos sem atrasos.

#03: Acesso às melhores ferramentas de gestão e acompanhamento

Por se tratar de um especialista em gestão de condomínios, o síndico profissional tem à seu dispor as melhores ferramentas de gestão e acompanhamento.

Ele conta com ferramentas e processos que fazem o seu trabalho ser mais rápido e produtivo, como aplicativos para comunicação com os moradores, softwares de gestão financeira e planilhas de acompanhamento do dia a dia do prédio.

Desta forma, o condomínio fica mais atualizado, seguro e com maiores chances de obter resultados de excelência.

#04: Especialização em gestão de pessoas e conflitos

Outra vantagem de contar com um profissional para gerir o condomínio é que ele é especialista em resolver e mediar conflitos entre os moradores.

Esse profissional conhece as melhores técnicas para resolver problemas e está sempre prezando por atender o desejo e as decisões da maioria dos moradores, de acordo com o que está disposto na legislação.

#05: Mais transparência na gestão do condomínio

Um dos maiores benefícios de contratar um síndico profissional é a transparência nas contas e ações do condomínio.

Afinal, uma das principais responsabilidades desse profissional é realizar uma gestão transparente e que preze pelo bem da saúde financeira do prédio em primeiro lugar. 

Por isso, ele procura sempre manter todos os moradores cientes da situação financeira do condomínio e realiza ações e investimentos minuciosamente planejados.

Um plus que muitos profissionais têm buscado para sua gestão é oferecer ainda mais transparência nas contas do condomínio por meio de uma administração digital.

Esse modelo de administradora oferece acesso às contas e situação financeira para todos os moradores, que podem acompanhar digitalmente todas as movimentações, facilitando a vida de todos.

#06: Planejamento do condomínio

E por fim, uma das responsabilidades do síndico é realizar o planejamento do condomínio.

É ele o responsável por listar as demandas e necessidades dos moradores, elencar prioridades, criar um plano de ação, definir prazos e acompanhar o andamento das atividades.

Quando seu condomínio conta com um síndico profissional, garante que uma pessoa altamente qualificada e especialista elabore esse planejamento.

Isso é extremamente importante para que todas as demandas sejam priorizadas da maneira correta e o andamento dos projetos seja acompanhado de perto.

Qual a função de um síndico profissional?

Quando um condomínio contrata um síndico profissional, é esperado que uma série de tarefas sejam executadas.

Por esse motivo, a lei define algumas obrigações do trabalho do síndico. Algumas delas acontecem em todos os condomínios, outras podem depender da configuração daquele condomínio.

Antes de citar as obrigações, vamos imaginar como é um dia típico na vida do síndico profissional? 

A rotina dele se divide entre visitas e planejamento.

As visitas ao condomínio costumam ocorrer semanalmente ou quinzenalmente, conforme o acordo feito na contratação. Nesse momento, o síndico profissional vai conversar com a equipe do condomínio, talvez com alguns moradores também, visitando os espaços e entrando em contato com a realidade do condomínio.

Já os momentos de planejamento são feitos no escritório ou na casa do profissional. É quando ele procura soluções para os problemas que surgirem e pensa em melhorias para a comunidade. 

Com a tecnologia, a maior parte desse trabalho pode ser feito remotamente. Inclusive, é bastante comum encontrarmos síndicos com mais de um condomínio, pois por não precisarem estar no local o tempo todo, é possível gerenciar diversos condomínios e realizar o contato com a equipe, moradores e fornecedores de qualquer lugar.

As visitas geralmente acontecem somente em alguns casos. Isso garante flexibilidade ao síndico profissional, que pode ajustar o trabalho de acordo com a sua agenda.

O que um síndico pode e não pode fazer?

Principais deveres de um síndico de condomínio

Agora que você já entendeu qual a principal função de um síndico profissional, veja a seguir quais são os principais deveres do síndico:

#01: Representar ativa e passivamente o condomínio

De acordo com o art. 1.348 do Código Civil, compete ao síndico representar ativa e passivamente o condomínio.

É dever do síndico defender o condomínio, pois sempre que os interesses dos condôminos estiverem em jogo, ele deve atuar em sua defesa.

#02: Combater a inadimplência

Também é dever do síndico manter as contas em dia, porém para que isso aconteça é necessário que os moradores estejam em dia com os seus débitos.

Isso significa que o síndico também deve atuar para combater a inadimplência, garantindo que tudo esteja funcionando em boas condições, buscando resoluções pacíficas e aplicando medidas legais cabíveis, sempre que for necessário.

#03: Zelar pela segurança e prevenir acidentes

Segurança é, com certeza, um dos principais motivos para as pessoas procurarem morar em um condomínio.

Neste sentido, é um dos deveres do síndico garantir que o condomínio esteja protegido, atuando na prevenção de acidentes e buscando promover ações de manutenção.

#04: Organizar as reuniões de assembleia e garantir que os condôminos sejam notificados

É dever do síndico organizar reuniões de condomínio, sendo que deverá haver pelo menos uma reunião de assembleia ao ano (Assembleia Geral Ordinária). Nessas reuniões ele faz a mediação das discussões dos moradores, escuta suas reivindicações e presta contas à comunidade.

#05: Manter as contas em dia

Manter a pontualidade das contas a pagar, ajudando a evitar maiores despesas com juros e garantir que os moradores possam desfrutar das dependências do condomínio com tranquilidade.

#06: Gerenciar a equipe de funcionários contratados e terceirizados

O síndico deve contratar o serviços de profissionais de limpeza, reparos, pintura, entre outros, buscando sempre o equilíbrio entre o custo e o benefício.

Ele também deve contribuir para a gestão das pessoas, garantir que as leis trabalhistas sejam cumpridas e que as empresas terceirizadas atuem de maneira correta e de acordo com a legislação.

O que um síndico não pode fazer?

Agora que você já entendeu quais são deveres do síndico, veja a seguir o que um síndico profissional não pode fazer:

#01: Negligenciar normas do condomínio

O síndico deve seguir à risca as regras estabelecidas pela legislação, convenção e regimento interno, além de fiscalizar se os moradores também estão seguindo-as.

#02: Não prestar contas aos moradores

O síndico profissional deve realizar a prestação de contas do condomínio pelo menos uma vez ao ano e/ou sempre que for exigido.

#03: Proibir a entrada de visitantes

Não é correto que o síndico determine a proibição de entrada de um visitante, se a entrada já foi aprovada por um morador do condomínio, exceto quando a convenção indica o contrário.

Caso seja necessário, o síndico deverá chamar as autoridades, a fim de contribuir para o bem estar da comunidade.

#04: Expor moradores inadimplentes

Independentemente do motivo, o síndico não pode expor o nome das pessoas devedoras. Caso contrário, é um direito do morador entrar com uma ação de danos morais.

#05: Desrespeitar o quórum das votações em assembleia

O síndico deve obedecer às regras estabelecidas, pois o descumprimento pode levar à impugnação da convocação e da ata.

#06: Invadir a privacidade dos condôminos

O síndico não pode abrir correspondências ou entrar em uma unidade sem permissão, com exceção de casos emergenciais, como vazamento de água ou gás em um imóvel.

O que é preciso para ser um síndico profissional?

Essa é uma pergunta bastante comum. Muitos querem ingressar na profissão, mas para isso é preciso ter o conhecimento necessário para atuar em condomínios.

Aqui vai uma lista das habilidades necessárias ao síndico profissional:

  • Inteligência emocional;
  • Administração;
  • Contabilidade;
  • Finanças;
  • Gestão de pessoas;
  • Direito condominial;
  • Boa comunicação;
  • Organização;
  • Disciplina;
  • Gestão do tempo.

#01: Inteligência emocional

O conhecimento técnico, ainda que importante, tem se mostrado insuficiente para lidar com todas as complexidades da rotina de um síndico profissional.

Por isso, uma das principais habilidades de um síndico de sucesso é a capacidade de administrar bem as emoções e ter inteligência emocional para lidar com crises e promover uma boa resolução de conflitos no condomínio.

Cautela, racionalidade e até mesmo distanciamento para avaliar cada situação isoladamente e tomar uma boa decisão, são apenas algumas das características emocionais que são relevantes em uma boa gestão condominial.

Neste sentido, é importante que o síndico:

  • saiba lidar com a pressão de atender moradores mais difíceis do que outros;
  • tenha consciência de que representa toda uma comunidade e, portanto, deve tomar decisões imparciais e em prol da coletividade;
  • consiga fortalecer sentimentos positivos para gerar resultados satisfatórios;
  • tenha cautela para administrar reuniões de assembleias e opiniões distintas;
  • saiba administrar emoções, lidar com ânimos alterados e ter paciência com pessoas em momentos de tensão e estresse;
  • e, por fim, agir de forma tranquila, equilibrada e empática.

#02: Administração, Contabilidade e Finanças

Condomínios residenciais ou comerciais, em sua grande maioria, envolvem muitas contas, altos valores e diferentes formas de pagamento.

Neste sentido, é comum que os moradores cobrem por uma maior transparência financeira diretamente ao síndico, bem como a prestação de contas.

No art. 1.348 do Código Civil, está definido que compete ao síndico prestar contas à assembleia anualmente ou sempre que essas informações forem exigidas.

É por este motivo que, em casos de problemas contábeis como fraudes, desvios de dinheiro ou superfaturamento de obras, os próprios síndicos são processados juridicamente.

Para evitar qualquer problema na Justiça, o síndico deve adicionar na sua lista de habilidades, os conhecimentos em administração, contabilidade e finanças, mesmo que ele contrate um profissional para auxiliar nestas atividades.

#03: Gestão de pessoas

E por falar em contratação de profissionais para o condomínio, não poderíamos deixar de mencionar a importância da gestão de pessoas na rotina de um síndico profissional.

O art. 1.348 do Código Civil explica que zelar pela conservação das áreas comuns do condomínio é uma das obrigações do síndico, logo coordenar funcionários em prol da preservação do empreendimento também pode ser considerada uma das responsabilidades de um síndico profissional.

Afinal, os colaboradores são importantes para que tudo ocorra em perfeita harmonia e o trabalho no condomínio torna-se cada vez mais aprimorado.

Aproveite para ler também: Como contratar funcionários para o condomínio?

#04: Direito condominial

O Direito Condominial é uma área do Direito que aborda os principais tópicos e normas relacionadas ao condomínio, como:

  • Convenção de condomínio;
  • Despesas;
  • Seguro, incêndio, demolição, reconstrução obrigatória;
  • Utilização da edificação ou do conjunto de edificações;
  • Administração do Condomínio;
  • Assembleia Geral;
  • Definição e registro do condomínio edilício;
  • Direito e deveres dos condôminos;
  • Administração: síndico (eleição, função, deveres, destituição), conselho fiscal, representação (administradoras, síndicos profissionais);
  • Extinção do condomínio;
  • Outros pontos gerais como obras, seguro obrigatório, dívidas, multas, partes comuns, vagas.

Falando sobre leis, podemos destacar a chamada Lei do Condomínio (Lei nº 4.591/64) e o Código Civil (Lei nº 10.406/2002).

Apesar de existirem duas leis, de acordo com o direito brasileiro, se ambas tratarem sobre o mesmo assunto, aquela mais recente é a que valerá. Como ocorreu o advento do Código Civil de 2002, este é o que prevalece sobre a lei anterior e também sobre a convenção do condomínio.

Neste sentido, é importante que o síndico profissional tenha conhecimento destas informações, bem como do conteúdo das leis, para que aja de acordo com a legislação brasileira, evitando problemas na justiça.

de nada adianta fazer um monte de coisas se as pessoas não souberem, assim como nada ainda ele comunicar tudo e não fazer. ele tem que ter uma boa rotina e canais claros de comunicação com o condomínio

#03: Boa comunicação

Sem boas práticas de comunicação no condomínio, um síndico profissional não consegue fazer uma administração e cultivar o bom relacionamento com os condôminos e os funcionários.

Afinal, de nada adianta um síndico fazer várias tarefas diferentes, se as pessoas nunca irão saber da existência delas. Bem como, não adianta o síndico comunicar sobre tudo e não fazer absolutamente nada.

Por isso, uma boa rotina de comunicação e canais claros com o condomínio, auxilia a propagar a mensagem da maneira correta.

E tem mais. É por meio dessa prática que é possível enxergar as necessidades das pessoas, ter mais empatia e ser compassivo, possibilitando a resolução de problemas e conflitos com mais leveza e rapidez.

#04: Organização

A vida de síndico não é fácil, imagine então a vida de quem é síndico profissional e precisa gerir um, cinco ou trinta condomínios ao mesmo tempo.

São muitas obrigações, papeladas, imprevistos e outras complexidades recorrentes. Muitas vezes, tudo acontece ao mesmo tempo.

A organização surge como centro desta questão e é uma habilidade primordial neste contexto, possibilitando:

  • tomar decisões com antecedência;
  • identificar problemas, crises ou manutenções antes que aconteçam ou que piorem;
  • se preparar com calma para as reuniões de assembleia;
  • garantir a boa saúde financeira do condomínio, a partir de uma previsão orçamentária bem estruturada;
  • contratar, treinar e gerir funcionários;
  • mais tempo para planejar, monitorar e avaliar.

#04: Disciplina

Geralmente, quando não se tem foco e disciplina, é porque existem muitas atividades disputando a sua atenção ao mesmo tempo, como as notificações do grupo de WhatsApp do condomínio, as solicitações dos moradores, as diversas planilhas que precisam ser preenchidas, entre outras.

Em algum momento, você vai deixar de prestar atenção em uma destas coisas e focar mais em outra.

Ou pior: você vai tentar resolver tudo de uma vez e, no final do dia, não vai ter finalizado quase nada.

Por ter uma rotina tão complexa, essas situações são corriqueiras no dia a dia de um síndico profissional. Compreendemos que para ser produtivo não é preciso estar ocupado o tempo todo, mas sim ter disciplina.

Esta habilidade é adquirida quando você:

  • foca em uma tarefa por vez;
  • lista todas as suas prioridades do dia;
  • elimina ou diminui todas as suas distrações;
  • se organiza para garantir um descanso adequado;
  • e, por fim, sabe a importância de ter metas e as define de forma clara e com prazos amigáveis.

#05: Gestão do tempo

Por fim, depois de todas as habilidades anteriores, é fácil identificar a gestão do tempo como mais uma das capacidades a serem desenvolvidas pelo síndico profissional, certo?

O primeiro passo é descobrir como planejar a sua gestão do tempo, como:

  • montando um quadro de avisos que esteja em um ambiente de fácil visualização;
  • criando e atualizando, por meio de uma rotina programada, planilhas de controle de gastos, controle financeiro, controle de tempo, etc;
  • adotando uma ferramenta de gestão de atividades, como o Trello, Asana ou Evernote;
  • ou, por fim, adotando uma tecnologia específica para gestão de condomínios, como o TownSq, que centraliza todos os tópicos anteriores em único local.

síndico profissional

Quanto é o salário de um síndico profissional?

O valor da remuneração de um síndico é definido a partir de uma negociação do contratante, no caso, o condomínio. Por isso, não existe um valor fixo pelo trabalho do síndico. 

A profissão não é regulamentada, então não existe um piso ou um teto salarial. O que existem são alguns aspectos levados em consideração pelo profissional na hora de propor a sua remuneração, como:

  • Número de unidades do condomínio;
  • Número de visitas por semana ao condomínio;
  • Quantidade de áreas comuns e de lazer;
  • Tamanho da equipe de funcionários;
  • Valor da taxa condominial do condomínio.

No final, um síndico ganha em média entre R$ 1.500 e R$ 4.000 reais por mês. Dependendo do condomínio, da região e outros fatores já mencionados, esse valor pode aumentar bastante, podendo chegar até R$ 20.000 ou mais do que isso.

Lembrando que o síndico não precisa estar sempre no condomínio, durante oito horas diárias. Por isso, é bastante comum encontrarmos síndicos que atuam em mais de um condomínio ao mesmo tempo, sem perder a qualidade.

Ou seja, o tempo que ele precisará dedicar ao trabalho vai ser definido no contrato com o condomínio.

Quanto custa um síndico profissional na sua cidade?

Como você já sabe, o valor do salário de um síndico profissional pode variar de acordo com diversos fatores, incluindo a região do país.

Pensando nisso, você confere a seguir a média salarial deste profissional em algumas das principais capitais do Brasil. Veja:

Cidade Valor em média
Porto Alegre R$ 2.175,89 a R$ 3.936,75
São Paulo R$ 3.131,10 a R$ 6.622,19
Belo Horizonte R$ 1.948,10 a R$ 3.559,98
Fortaleza R$ 1.673,95 a R$ 2.834,61
Brasília R$ 2.187,98 a R$ 5.019,28
Rio de Janeiro R$ 2.640,57 a R$ 5.647,58
Salvador R$ 2.092,30 a R$ 3.857,66
Curitiba R$ 1.477,20 a R$ 2.345,68
Manaus R$ 1.960,48 a R$ 3.793,97
Recife R$ 1.761,98 a R$ 3.434,23

Síndico profissional precisa abrir empresa?

Síndicos profissionais não têm a obrigatoriedade de ter um CNPJ, pois esta não é uma profissão regulamentada.

No entanto, alguns clientes podem exigir por preferirem contratar uma pessoa jurídica para administrar o condomínio. 

Além disso, essa é uma boa prática, pois passa mais confiança, autoridade e garante a proteção do síndico e do condomínio.

Síndico profissional pode ser MEI?

É importante deixar claro que síndicos profissionais não podem ser MEI, assim como profissionais da área do direito ou saúde, por exemplo.

Isso porque esta profissão não está enquadrada na lista de ocupações que são beneficiadas pela legislação que compete ao Microempreendedor Individual (MEI).

Para ser MEI, existem algumas regras, como:

  • a profissão não deve ser de caráter intelectual;
  • o CNAE deve ser correspondente aos permitidos para MEI;
  • a renda bruta anual do profissional autônomo não pode ultrapassar R$ 81 mil por ano;
  • e, por fim, o profissional pode realizar apenas uma contratação CLT.

Neste sentido, caso você queira abrir uma empresa de síndico profissional, pode optar por:

  • Empresário Individual – Microempresa;
  • Empresa Individual de Responsabilidade Limitada – EIRELI;
  • Sociedade Limitada.

Qual o CNAE para síndico profissional?

Existem algumas opções de CNAE que você pode escolher, veja:

  • 6822-6/00 – Gestão e administração da propriedade imobiliária;
  • 8111-7/00 – Serviços combinados para apoio a edifícios, exceto condomínios prediais;
  • 8219-9/99 – Preparação de documentos e serviços especializados de apoio administrativo não especificados anteriormente.

O ideal é que, ao abrir a empresa, o síndico profissional sempre contrate um contador especializado para analisar caso a caso e auxiliá-lo neste processo.

Quem assina contrato de síndico profissional?

De forma simplista, o contrato não é necessário e a ata de assembleia geral do condomínio é um documento suficiente para fechar um acordo.

No entanto, esse é um documento indicado, pois garante maior segurança e transparência para o síndico e o condomínio, pois traz as atividades que estão incluídas, quais não estão, tempo de visita no condomínio, formato de trabalho, entre outras informações importantes.

Em muitos casos, o síndico profissional também apresenta uma proposta detalhada com todas as informações sobre o serviço que está oferecendo, para que, em caso de descumprimento, possa haver uma destituição do mesmo.

No entanto, caso os moradores sintam-se mais à vontade com um contrato assinado, então o ideal é que a assembleia se reúna e delegue um condômino ou o conselho do condomínio para arcar com a responsabilidade de assinar o contrato, em complemento à ata.

Além disso, em todo caso, existe a necessidade de delegação de poderes pela assembleia, pois, em regra, quem representa o condomínio é o síndico.

Como ser um bom síndico profissional

O síndico profissional deve ter algumas habilidades e características específicas, como:

  • Saber lidar com pessoas e manter um bom relacionamento com moradores e funcionários;
  • Ter empatia e calma na hora de gerenciar crises e apaziguar conflitos;
  • Possuir afinidade com áreas do conhecimento como administração, contabilidade, direito, recursos humanos e finanças;
  • Ser organizado e disciplinado para saber trabalhar de forma autônoma e independente.

Muitos síndicos profissionais iniciam a carreira após atuar como síndico dos condomínios em que moram e acabam pegando gosto pela atividade.

Afinal, por que não ganhar dinheiro com algo que você é bom e gosta de fazer?

Nem sempre o síndico profissional precisa de dedicação exclusiva à função. É possível conciliar as tarefas da gestão do condomínio com carreiras que seguem horários flexíveis, com o horário comercial livre.

Desta forma, a atividade como síndico pode funcionar como uma fonte de renda extra.

Não existe uma faculdade ou certificação básica para ser um síndico profissional, pois a profissão de síndico ainda não é regulamentada.

No entanto, algumas instituições oferecem cursos de capacitação para quem tem interesse em atuar na área, como a TownSq.

Quem pode se candidatar a síndico?

De acordo com o art. 1.347 do Código Civil, qualquer pessoa física ou jurídica pode exercer a função de síndico de um condomínio, seja locatário, proprietário ou ocupante.

Sendo assim, contratar um síndico profissional, como já vimos ao longo do texto, que é alguém sem vínculo algum com o condomínio, também pode acontecer.

Quando uma pessoa não pode ser síndico?

Neste caso, de acordo com o CNJ, somente os magistrados não podem exercer a função de síndico de um condomínio, pois prevalece o princípio da dedicação exclusiva.

E, de acordo com o art. 1.335 do Código Civil, inadimplentes também não podem atuar nesta profissão, pois a lei determina que apenas condôminos quites possuem o direito de votar e participar de reuniões de assembleia.

Síndico pode ser eleito por procuração?

A resposta é sim. Não há nada na lei que impeça esta conduta e, portanto, o uso de procuração em reuniões de assembleia é permitido.

A legislação indica que a procuração deve:

  • constar que é válida expressamente para a assembleia condominial de eleição de síndico;
  • deve conter a assinatura reconhecida;
  • e, por fim, deve conter o substabelecimento de poderes de representação do procurador a um terceiro.

Como criar a proposta de um candidato a síndico?

A proposta comercial é um documento que representa o seu interesse em atuar como síndico de um determinado condomínio.

Geralmente, a proposta descreve de maneira objetiva o trabalho que o candidato a síndico desempenhará, apresentando o que ele pretende cobrar pelo serviço.

É comum que o conselho do condomínio entre em contato com o síndico pedindo um material mais enxuto, como uma apresentação. E em seguida ele é convidado a conhecer o condomínio e conversar com os conselheiros.

Mas há também síndicos que na primeira oportunidade de apresentar o seu trabalho a uma comunidade em potencial enviam uma proposta completa, construída na medida para aquele condomínio. Portanto, o conteúdo da sua proposta vai depender do seu cliente.

E para construir a proposta, recomendamos que você conheça bem a realidade daquela comunidade, seus desafios e interesses.

Baseado nisso, pense em estratégias para entregar os resultados que o condomínio espera e inclua elas na proposta. Você pode fazer esse exercício através de perguntas como:

  • Quais são os problemas que o condomínio enfrenta atualmente? 
  • Qual é a história do condomínio? 
  • Existe alguma pendência importante no condomínio que deva ser tratada como prioritária?
  • Quais são os objetivos da comunidade no curto, médio e longo prazo?
  • Existe alguma obra de grande porte planejada no curto prazo? Ou alguma regularização a ser feita (exemplo: PPCI)?

Não esqueça também de falar sobre a sua empresa, seu trabalho. Conte um pouco da sua experiência – sem exageros -, mencione a sua qualificação para o cargo, traga cases/exemplos de outros condomínios onde já atuou e, se possível, até mesmo contato de alguém para ser referência.

E se tratando de estética, você não precisa ser um designer para apresentar uma proposta de qualidade. Plataformas digitais como o Canva oferecem referências de materiais e possibilitam que você monte a sua proposta.

Você pode também construí-la como uma apresentação (PowerPoint) ou documento de texto (Word). Essas duas plataformas também oferecem modelos que podem ser o ponto de partida da sua proposta.

Lembre-se que essa poderá ser uma primeira impressão a seu respeito para alguns membros da comunidade, portanto vale a pena dedicar um tempo para entregar uma proposta esteticamente apelativa. 

Como rescindir contrato com síndico profissional?

Uma das principais dúvidas ao contratar um síndico profissional se refere ao encerramento do vínculo do síndico com o condomínio.

Neste caso, o encerramento da gestão do síndico só poderá acontecer por meio de uma reunião de assembleia convocada, especificamente, para esta finalidade.

Os motivos podem ser diversos:

  • renúncia;
  • destituição;
  • ou falecimento do síndico.

Em ambos os casos, o contrato deverá ser rescindido atendendo todas as cláusulas que foram expressas.

Quando o síndico pode ser processado?

Geralmente, poderá haver um processo contra o síndico somente quando existirem provas de que houveram irregularidades, como:

  • falta de transparência na prestação de contas;
  • superfaturamento de obras;
  • desvio de dinheiro;
  • obtenção de vantagens financeiras por meio do cargo;
  • agressão verbal ou física;
  • difamação.

Síndico profissional é a profissão do futuro

Vivemos em um mundo onde há cada vez menos espaços disponíveis nos centros urbanos.

Com isso, as construtoras e a população têm apostado ainda mais na vida em condomínio.

Não existem dados oficiais sobre o número de condomínios no Brasil, mas um dado aproximado, de acordo com o Censo Demográfico de 2010, podemos estimar que existem cerca de 240 mil condomínios edilícios verticais (de prédios) no Brasil.

Só na cidade de São Paulo, é calculado que uma entre três pessoas vive em um desses conjuntos habitacionais.

Esse número deve apenas aumentar a cada ano que passa. E cada um desses empreendimentos precisa obrigatoriamente de um síndico.

Com o crescimento da população que vive em condomínios, se torna cada vez mais urgente a existência de pessoas qualificadas para exercer a profissão de síndico.

O aumento do desemprego no país também influencia essa necessidade de se reinventar profissionalmente – e sai na frente quem está disposto a inovar.

A incerteza do mercado de trabalho se une à liberdade para explorar novas áreas de atuação, e por que não como síndico profissional?

Curso de síndico profissional: onde fazer?

Se depois de ter lido este post inteiro a sua vontade é de aprofundar ainda mais os seus conhecimentos sobre como ser um síndico profissional, aproveite também para explorar outras fontes de aprendizado, como:

Curso Síndico Profissional TownSq – O novo empreendedor de sucesso

Neste curso, você receberá as principais orientações para conquistar o primeiro condomínio ou expandir a carteira de clientes.

Inclui conhecimentos sobre técnicas de vendas, marketing, precificação, e mais.

Curso Gestão Condominial de Resultado

Já neste curso, você terá acesso a conhecimentos e ferramentas necessárias para atuar como síndico profissional. 

E, mais do que isso, entregar uma gestão de qualidade, com resultados práticos na vida da comunidade.

Agora é com você!

Já mostramos como funciona a rotina de síndico profissional e todas as informações essenciais para você ingressar nesta profissão, mas está na hora de você colocar a mão na massa.

Tenha em mente que ninguém se torna um síndico profissional de sucesso da noite para o dia, mas que se você mantiver a organização e se certificar com os melhores cursos do mercado, a sua melhora será contínua.

Se você gostou deste post e ainda tem dúvidas, não esqueça de deixar o seu comentário abaixo.

O síndico pode tirar férias? Veja como se preparar para o descanso anual

O síndico pode tirar férias? Veja como se preparar para o descanso anual

O síndico tira férias? A resposta é sim! Mas antes de comprar as passagens e fazer as malas, é preciso se planejar, organizar as tarefas e garantir que o condomínio vai funcionar perfeitamente, mesmo na sua ausência. Veja como fazer isso!

Apesar do que muitos pensam, o síndico também tem direito a tirar férias. Por não ter vínculo empregatício com o condomínio, ele é livre para decidir a melhor data para se ausentar.

Porém, mesmo com toda esta liberdade, é importante que:

  • a convenção e a assembleia geral estipulem regras sobre as férias do síndico;
  • em caso de síndicos profissionais, essas regras sejam estipuladas também no contrato de prestação de serviços;
  • e que o síndico seja organizado e planeje as suas pausas com antecedência.

Durante o seu afastamento, o condomínio não pode se administrar sozinho. Por isso, na maior parte das vezes, quem assume as responsabilidades é o subsíndico, alguém do conselho ou, em caso de uma empresa de síndico profissional, uma pessoa desta empresa também pode assumir.

Continue lendo para entender o que o síndico deve fazer antes de sair de férias e como se preparar para este momento.

Síndico tira férias? O que deve ser feito antes do síndico sair?

Mesmo com todo um planejamento e preparação antes de sair de férias, imprevistos ou emergências ainda podem acontecer no condomínio.

Por isso, para curtir as férias tranquilamente, o síndico precisa tomar algumas providências para que tudo permaneça funcionando na sua ausência. Veja quais são:

  • Certifique-se que o subsíndico, o conselho e a administradora estejam cientes da sua saída. De preferência, envie um aviso com as informações da sua data e tempo de afastamento. Afinal, caso ocorra algo inesperado, eles saberão que o síndico não está presente e podem solucionar os problemas ou, no mínimo, saberão quem procurar e quanto;
  • Converse com o subsíndico e/ou conselho e alinhe pontos importantes antes da sua saída, com o que deve ser feito ou mantido durante a sua ausência;
  • Organize-se para sair de férias de fevereiro a novembro, pois os meses de dezembro e janeiro são, normalmente, mais movimentados nos condomínios e há mais demandas, a depender do condomínio;
  • Treine os funcionários para que eles possam agir em caso de emergências, como um vazamento de gás, incêndio ou cano estourado, por exemplo;
  • Faça uma cópia do regimento interno e da convenção e entregue à pessoa responsável pelo condomínio durante a sua ausência;
  • Faça uma lista de todos os pagamentos que deverão ser feitos durante a sua ausência e certifique-se que a pessoa responsável esteja ciente sobre esta responsabilidade;
  • Verifique todos os documentos que precisam da sua assinatura e certifique-se de finalizar esta atividade antes de sair;
  • Garanta que telefones importantes possuem fácil acesso e não precisam de você para que sejam conferidos, como o contato de profissionais de reparos, encanamento, eletricidade, bombas, portões, elevadores, piscina, entre outros. Uma boa ideia é fazer um cartaz com os principais contatos de emergência e deixar em um local visível ou no aplicativo do condomínio;
  • Certifique que a empresa de segurança e monitoramento também está ciente da sua ausência durante o período estipulado;
  • Certifique-se que outros funcionários não tirem férias junto com o síndico, evitando que o condomínio funcione com poucos colaboradores;
  • Monte um plano do que deve ser feito durante a sua ausência, bem como o que também não deve, e entregue-o para os funcionários.

Quando o síndico sai de férias, quem assume?

Nesse caso é, geralmente, o subsíndico, alguém do conselho ou, em caso de síndicos profissionais, uma pessoa da sua empresa que assume o papel e as responsabilidades do síndico perante o condomínio.

Para garantir o bom trabalho deste substituto, é importante que ele possua autorização no banco, por exemplo, para realizar pagamentos e, também, que a administradora e os condôminos estejam cientes da mudança, mesmo que temporária, para que saibam a quem recorrer em casos de dúvidas ou emergências.

Síndico recebe 13º salário?

Ainda que o síndico tenha direito à previdência social, eles não têm direito a outros benefícios de trabalhadores CLT (com carteira assinada) possuem, como o 13º salário, reajustes salariais periódicos, férias remuneradas, salário etc.

Neste último ponto, por exemplo, ainda que não seja obrigatório, é importante que o condomínio respeite o papel que este profissional possui e garanta que ele tenha o suporte necessário para que o seu trabalho ocorra de maneira coerente, correta e com tranquilidade.

Este artigo ajudou você a tirar as suas dúvidas? Então, aproveite para conferir também quais são os direitos e deveres do síndico. Boa leitura!