Portaria de Condomínio: Deveres do Porteiro

Portaria de Condomínio: Deveres do Porteiro

A portaria de condomínio é a porta de entrada por onde transitam tanto moradores quanto visitantes e prestadores de serviço. Exatamente por isso, esse local deve receber atenção redobrada. Um personagem essencial nesse ambiente é o porteiro, grande responsável pela segurança e ordem da portaria de condomínio.
A sua posição na portaria faz do porteiro o principal alvo caso haja alguma tentativa de assalto ao condomínio. Por causa disso, é essencial que esse profissional esteja preparado para agir em casos de perigo, seguindo os deveres atribuídos ao seu cargo.
Nesta publicação, vamos falar sobre quais são os deveres do porteiro e quais são as funções deste cargo dentro do condomínio. Confira:

As funções do porteiro

As atividades do porteiro dentro do condomínio dividem-se em três principais focos: correspondência, autorização de entrada/saída e ordem do local. A seguir, vamos explicar cada ponto detalhadamente:

Correspondência

Tanto as correspondências convencionais, quanto pacotes e demais entregas, chegarão na portaria de condomínio. E o porteiro deve estar a postos para receber e distribuí-las.
É recomendável evitar ao máximo a entrada de estranhos no condomínio. Portanto, no caso de entregas, o porteiro deve entrar em contato com o morador e solicitar que venha buscar a encomenda direto na portaria. Desta forma, evita-se que um estranho tenha acesso ao interior do condomínio, garantindo a segurança de todos.

Autorização de entrada/saída

É função do porteiro permitir a entrada e saída de pessoas que não moram ou trabalham no condomínio. Sempre que houver uma visita ou presença de um prestador de serviço, deve-se pedir a identificação do indivíduo antes de permitir a sua entrada no condomínio. E, apenas após a confirmação por parte do morador e devida identificação, poderá ser liberada a entrada da pessoa ao condomínio.
Mesmo que o indivíduo visite o local com frequência, é dever do porteiro fazer a conferência todas as vezes. É importante flexibilizar o mínimo possível e sempre confirmar se há realmente à espera por parte do morador.

Ordem do local

Faz parte das atribuições do porteiro manter a ordem na portaria. O funcionário deve permanecer na portaria de condomínio o máximo de tempo possível, mantendo-se alerta ao que ocorre no entorno do empreendimento.
O porteiro também pode ser escalado para notificar os moradores sobre qualquer anormalidade dentro do condomínio, como um corte na tubulação de água ou interrupção do funcionamento dos elevadores.
É fundamental que o síndico e os moradores tenham consciência de nunca desvirtuar o porteiro de sua função na portaria. Ajudar com as compras ou manobrar um carro na garagem não fazem parte das funções do profissional e ainda prejudicam a segurança do condomínio.

Melhore a segurança na portaria do seu condomínio com o nosso Modelo Gratuito dos Deveres do Porteiro!

Contabilidade de condomínio: entenda como fazer e quem é o responsável

Contabilidade de condomínio: entenda como fazer e quem é o responsável

Manter a contabilidade de condomínio em dia é uma das questões fundamentais na administração condominial. Por ser um assunto um tanto quanto complexo, com diversos princípios contábeis aplicados, muitos síndicos não sabem muito bem como proceder nessa área.

Pensando nisso, preparamos esse artigo sobre contabilidade para condomínios (atualizado em 2019). Você aprenderá sobre como manter a contabilidade do condomínio organizada e quem é o responsável por essa atividade. Vamos lá?

Quem é o responsável pela contabilidade do condomínio?

Uma dúvida recorrente sobre esse tema é: quem é o responsável pela contabilidade do condomínio?  O Art. 1348, inciso VIII do Código Civil brasileiro determina que:

Art. 1.348. Compete ao síndico:

VIII – prestar contas à assembléia, anualmente e quando exigidas;

Logo, a responsabilidade sobre a contabilidade do condomínio não é de ninguém menos do que do próprio síndico. Mesmo que seja contratado o serviço de uma administradora, de um escritório de contabilidade ou contador autônomo, ainda será o síndico o responsável final pela contabilidade de condomínio edifício.

Legalmente, não é obrigatória a contratação de um contador habilitado pelo Conselho Regional de Contabilidade ou pelo Conselho Federal de Contabilidade para o condomínio. Desta forma, qualquer pessoa com conhecimento técnico na área pode fazer contabilidade para condomínios. Do mesmo modo, não há nenhuma regra que determine que condomínio com CNPJ precisa de contador. Entretanto, o síndico deve apostar na contratação de um profissional confiável para lidar com a contabilidade de condomínio.

Contudo, é importante relembrar que o síndico é considerado o representante oficial do condomínio perante a lei. Isso significa que o gestor pode ser penalizado por problemas que aconteçam, inclusive na parte de administração de condomínios e contabilidade. Dependendo da situação, pode ocorrer a destituição do síndico, além de processos civis e criminais.

Infelizmente, são comuns processos contra o síndico por causa de fraudes, desvio de dinheiro e superfaturamento de obras. Exatamente por isso o síndico precisa estar à parte das contas do condomínio e buscar sempre transparência, ética e respeito às normas.

Contabilidade do condomínio: como fazer?

Ao fazer a contabilidade de condomínio, é necessário que o síndico se dedique a duas importantes questões: a organização e às obrigações tributárias. Entenda mais sobre essas demandas:

Contabilidade de condomínio: mantenha os documentos fiscais por pelo menos cinco anos

Em primeiro lugar, é preciso organizar todos os documentos. Afinal, um condomínio com a contabilidade organizada já é meio caminho andado para garantir uma boa administração financeira do condomínio.
Os documentos fiscais que devem ser mantidos por ao menos cinco anos pela administração são:

Além destes, existem alguns documentos que não devem ser colocados fora:

  • Inscrição do edifício na Receita Federal, com o cartão do CNPJ;
  • Documentos fornecidos pela construtora ou incorporadora do edifício, como: manual do proprietário, auto de conclusão e alvarás;
  • Escrituração contábil do condomínio;
  • Plantas da edificação;
  • Documentação trabalhista com guias de recolhimentos de FGTS e INSS;
  • Contrato de seguro condominial;
  • Notas fiscais, manuais e certificados de garantia de elevadores, bombas d’água e demais equipamentos;
  • Certificados de Auto de Vistoria de Corpo de Bombeiros (AVCB).

Para evitar confusão, é imprescindível armazenar tudo da maneira certa. As opções mais recomendáveis são através de pastas físicas ou então com softwares para condomínios. Qualquer desleixo do síndico e do conselho fiscal na organização contábil pode causar desconfiança por parte dos condôminos. O custo disso pode se tornar alto, resultando até mesmo em auditoria por um profissional da área contábil ou ações judiciais contra o condomínio.

Com os documentos contábeis do condomínio organizados, é possível estabelecer um plano de contas de condomínio e assim contabilizar as despesas do condomínio.

Contabilidade de condomínio: obrigações tributárias de um condomínio

Já no âmbito tributário, existem algumas contribuições que são obrigatórias para condomínios. São elas:

  • Arrecadar FGTS e IRRF para funcionários contratados;
  • Recolhimento do INSS para contratados com carteira assinada, para serviços prestados por autônomos e mão-de-obra contratada;
  • Pagar o PIS sobre folha de pagamento;
  • Reter e recolher ISS e CSLL quando ocorrer contratação de prestadores de serviço, conforme legislação do município;
  • Reter e recolher COFINS quando há contratação de prestadores de serviço com valor acima de R$ 215,05 por nota fiscal.

Por outro lado, também existe a contribuição sindical em condomínio. Esse encargo é feito tanto para o sindicato patronal quanto para o sindicato das categorias. Porém, a Reforma Trabalhista tirou a obrigatoriedade do pagamento desse imposto, em novembro de 2017.

Contabilidade para condomínio: como contabilizar fundo de reserva de condomínio

Por último, mas não menos importante, está o fundo de reserva. Saber como gerenciá-lo corretamente fazer parte de uma boa contabilidade para condomínios. Normalmente, o cálculo da contribuição para o fundo de reserva é feito com base em uma porcentagem do valor da taxa condominial paga mensalmente pelo condômino. Em geral, a porcentagem equivale de 5% a 10% do valor da cota condominial. No entanto, isso não é uma regra e cada condomínio determina o valor da sua contribuição ao fundo de reserva com base na convenção.

A contabilidade do fundo de reserva engloba também o gerenciamento e a aplicação desse dinheiro. Para que o dinheiro não desvalorize até o momento de ser utilizado, o condomínio pode aproveitar para aplicar a quantia em fundos de investimento ou caderneta de poupança de curto prazo. Já o gerenciamento divide-se em cobrança, aplicação e utilização do dinheiro. Esta última, só poderá ser feita em casos emergenciais ou com base na previsão orçamentária aprovada em assembleia geral.

Leia também:

Como contabilizar taxa de condomínio?

Como contabilizar despesas de condomínio?

Planejamento e Controle Financeiro: quais os melhores softwares?

Como funciona o regime tributário de condomínios (atualizado 2018)

Manter uma boa contabilidade de condomínios é uma oportunidade não percebida para melhorar a atuação do síndico no condomínio. Com organização e é possível trabalhar melhor, ter mais tempo livre e aprimorar a vida dos moradores!

Piscina do condomínio: cuidados na hora de fazer a manutenção

Piscina do condomínio: cuidados na hora de fazer a manutenção

O verão é uma estação diferente para o condomínio. É o período de férias para muitos, o que aumenta consideravelmente o fluxo de pessoas nas áreas comuns. Sem dúvidas, a piscina do condomínio é o espaço mais concorrido nessa época.
Por causa disso, a piscina se torna um dos ambientes que mais requer cuidado na hora de fazer a manutenção condominial. E garantir condições adequadas para aos moradores é responsabilidade do síndico.
Pensando nisso, separamos alguns itens que não podem faltar na hora de fazer a manutenção de condomínio na área da piscina do condomínio. Confira:

Manutenção da piscina em condomínio

Cloro
O cloro deve ser reposto de dois em dois dias durante o verão.
Controle do pH
O pH deve ser medido uma vez por semana. Esse cuidado é fundamental para o bom funcionamento da piscina. Se o pH estiver no nível correto, os equipamentos terão uma durabilidade maior e a qualidade da água não será comprometida. O nível do pH deve estar sempre entre 7,2 a 7,6, ou seja, levemente alcalina.
Demais sujeiras
Cuidados manuais, como a peneiração, continuam fundamentais para a retirada de sujeiras mais “grossas” como galhos, folhas, insetos e outras sujeiras. Após a limpeza superficial, procure realizar a aspiração a cada dois dias e uma escovação de 15 em 15 dias.
Regras para o uso da piscina do condomínio
Além dos cuidados com a limpeza da piscina, há certos comportamentos que devem ser incentivados na hora de utilizar o espaço. Para que tudo saia de acordo com as normas da boa convivência, o síndico deve atentar os moradores para os seguintes tópicos:
Horário de uso
O horário de funcionamento das piscinas em condomínio é determinado pelas as regras do regimento interno. É comum que as piscinas tenham horários que respeitam a rotina regular (ex.: 9h às 17h), podendo ser diferentes nos finais de semana. No verão, é possível que o horário seja estendido (ex.: 9h às 19h).
Segurança de crianças
O condomínio pode restringir o acesso de crianças na piscina por questões de segurança. Para evitar acidentes, menores de idade só podem entrar na piscina no condomínio quando acompanhadas por um responsável. É de interesse comum que haja normas que protejam os moradores de possíveis acidentes.
Normas de utilização
Piscinas em condomínios devem contar com avisos e placas indicando as regras do local. Essas normas também podem ser conferidas no regimento interno do condomínio.
Algumas regras mais comuns para piscinas em condomínio são:

  • Não consumir alimentos e bebidas na área da piscina;
  • Moradores não podem andar fora das dependências da piscina utilizando trajes de banho;
  • Não é permitido levar copos, garrafas, latas de cerveja e demais itens de vidro ou material cortante para o local;
  • Moradores devem controlar crianças para que não sujem a água ou se machuquem;
  • É proibida a presença de animais no espaço voltado às piscinas;
  • Todos devem tomar uma ducha antes de entrar na água;
  • É proibido usar equipamentos de som na área de lazer.

Essas e outras obrigações ajudam a garantir a ordem e a harmonia na convivência entre vizinhos.

A água é um ambiente perfeito para a proliferação de bactérias e fungos que podem causar sérios problemas de saúde aos moradores. Logo, o condomínio tem a obrigação de prezar pela saúde coletiva.
Doenças que podem ser transmitidas pela água da piscina:

  • Problemas gastrointestinais, como diarreias e vômitos;
  • Erupções cutâneas;
  • Infecções oculares, como conjuntivite;
  • Doenças no ouvido ou no trato respiratório;
  • Infecções por fungos, como micoses.

Exame médico para piscina de condomínio

O exame médico é importante, pois serve para conferir se a pessoa pode frequentar a piscina do condomínio sem oferecer riscos para os outros moradores. Se o condômino está saudável, é obtido o atestado para uso de piscina coletiva.
Médicos que podem oferecer atestado para uso de piscina são:

  • Médicos de família;
  • Pediatras;
  • Dermatologistas;
  • Clínicas gerais.

Atestado médico para piscina coletiva

O atestado médico para utilizar a piscina do condomínio não é obrigatório em todos os municípios e estados, mas nada impede que o condomínio faça a exigência. Inclusive, essa é uma medida prudente que busca preservar a saúde dos condôminos que usam a piscina.
No estado de São Paulo, os artigos 51 e 52 do Decreto nº 13.166/79 estabelecem que é obrigatório o morador passar por um exame prévio antes de usufruir da piscina. É preciso apresentar uma ficha médica assinada por um profissional habilitado. A lei também determina que é proibida a entrada na piscina de pessoas portadoras de doenças transmissíveis ou com feridas abertas.
Para determinar se o condomínio que você administra exige a apresentação de atestado médico para uso de piscina coletiva, é necessário conferir o regimento interno.
Se a assembleia achar prudente, o condomínio deve aprovar a exigência de atestado médico ou dermatológico para uso de piscina do condomínio. A aprovação é feita com a maioria dos votos de uma reunião de assembleia, com quórum de dois terços de todos os condôminos.

Validade do atestado médico para piscina

Como explicamos anteriormente, a exigência e as particularidades do atestado médico para uso da piscina em condomínio é definido pelas normas da região e do regimento interno do condomínio.
Conforme as especificações do Decreto nº 13.166 do Estado de São Paulo, o exame médico deve ser atualizado semestralmente. Portanto, a validade do atestado médico para piscinas em municípios paulistas é de seis meses.
O Conselho Regional de Medicina do Paraná também recomenda que o atestado médico para utilização de piscinas seja renovado a cada seis meses.
Para que o atestado seja válido, é necessário que ele contenha as seguintes informações:

  • Nome do solicitante/paciente;
  • Data da consulta;
  • Informações sobre o estado de saúde do morador;
  • Confirmação da aptidão para frequentar a piscina;
  • Nome e assinatura do profissional da saúde;
  • Número do registro profissional do médico.

Depois da piscina do condomínio estar revisada e com os devidos avisos expostos é só aproveitar o verão!

Planeje as manutenções da piscina do condomínio com mais organização! Baixe a Planilha de Controle de Condomínio, totalmente gratuita.

Reunião de condomínio: como ter uma experiência tranquila e pacífica?

Reunião de condomínio: como ter uma experiência tranquila e pacífica?

A reunião do condomínio é um dos momentos mais importantes do trabalho de síndico. É a ocasião em que todos os moradores, proprietários e seus representantes se reúnem para discutir e tomar decisões sobre assuntos que afetam a vida em comunidade.
Entretanto, não são todos os condomínios que conseguem o privilégio de contar com reuniões tranquilas e pacíficas. Pensando nisso, separamos algumas informações e dicas para reuniões de condomínio. Assim, o síndico já vai estar pronto para quando chegar a hora de aprovar aquela obra, alteração no regimento interno ou ajuste no valor da taxa de condomínio. Confira:

Como marcar uma reunião de condomínio?

A preparação da reunião de condomínio é tão importante quanto a execução. Existem uma série de detalhes que o síndico precisa ficar de olho para que tudo saia de acordo com a legislação. Caso contrário, a assembleia pode sofrer impugnação – e tudo o que for decidido na reunião será anulado.
Por causa disso, é necessário prestar muita atenção para que sejam obedecidas todas as regras do Código Civil brasileiro durante a convocação de assembleia. De acordo com o Art. 1.354, a assembleia não poderá ser realizada se todos os condôminos não forem convocados. Ou seja, se um condômino não receber uma notificação prévia sobre o encontro, a assembleia de condomínio não é válida legalmente.
A carta de convocação pode ser enviada por correspondência ou circular através de um sistema de gestão de condomínio, como o TownSq. Além disso, é aconselhável expor uma cópia desse documento em uma área de grande circulação no condomínio, como elevadores, hall de entrada ou portaria.
Os moradores também têm o direito de marcar uma reunião de condomínio por conta própria. O Art. 1.355 determina que assembleias extraordinárias podem ser convocadas por um quarto dos condôminos. Logo, os moradores podem se organizar, montar um abaixo-assinado e exigir que seja realizada uma assembleia do condomínio mesmo sem o aval do síndico.

Carta de convocação para reunião de condomínio

Para marcar uma reunião de condomínio, o síndico precisa montar uma notificação com as seguintes informações:

  • Data do encontro
  • Local
  • Pauta da reunião

É fundamental destacar que apenas poderão ser votados os assuntos que estiverem presentes nesse documento. Caso apareçam novas demandas durante a reunião de condomínio, o síndico deve anotar as recomendações e convocar um futuro encontro para discutir essas novas pautas.
Para facilitar o trabalho do síndico, oferecemos um Modelo de Convocação de Assembleia.

Mantendo a ordem durante a reunião de condomínio

O síndico é o responsável por fazer a reunião de assembleia ocorrer tranquilamente e apaziguar os ânimos dos moradores mais fervorosos. O primeiro passo é escolher quem será o presidente da mesa. Essa pessoa irá conduzir os moradores ao longo das pautas e coordenar o secretário da mesa.
Em vista disso, o ideal é que o presidente seja alguém firme e neutro, que não represente nenhum grupo dentro do condomínio. Com uma mesa composta por pessoas bem orientadas para conduzir a reunião de condomínio, o risco de atritos diminui consideravelmente.
O foco também é um quesito indispensável. No início dos trabalhos, combine com a assembleia o tempo estipulado para debater cada uma das pautas. Por exemplo: a previsão orçamentária será discutida por 10 minutos, a aprovação de obras terá 25 minutos e assim por diante.
É essencial que o síndico se mantenha presente ao final da reunião para esclarecer dúvidas dos moradores e informar sobre os próximos passos que deverão ser seguidos após as decisões. Desta forma, o papel do síndico torna-se mais prestativo e a comunicação em condomínio fica mais transparente.

Assembleia de condomínio – Quórum

As votações nas reuniões de condomínio precisam seguir regras de acordo com o tema:
Aprovação de prestação de contas, aumento da taxa condominial e eleição de síndico: deve-se fazer a primeira convocação, na qual é preciso quórum de metade do todo. Se esse quórum não for atingido, é feita a segunda convocação – que tem quórum livre. Após isso, a votação é decidida pela maioria dos presentes.
Obras necessárias: necessitam do voto da maioria dos presentes para serem aprovadas. Lembrando que estas obras são as manutenções de pintura, conservação de máquinas e demais reparos para manter o condomínio, como limpeza da fachada e afins.
Obras úteis: são as reformas que melhoram ou facilitam a rotina do condomínio, como modificação de um espaço de depósito de lixo, melhorias funcionais para segurança na garagem, etc. Esse tipo de votação exige maioria dos votos entre o todo os condôminos para ser aprovada.
Obras voluptuárias: precisam da maioria dentro de ⅔ do total do número de condôminos. São reparos para melhor o entretenimento e o lazer dos moradores, como aumento da piscina, melhorias no salão de festas, etc.
Alterações na convenção de condomínio ou regimento interno: exigem maioria na votação de um quórum de 2/3 de todos os proprietários.
Destituição do síndico: em caso de insatisfação com a gestão do síndico atual, ¼ (um quarto) dos moradores podem convocar uma reunião de condomínio para que seja discutida a permanência do síndico. A validade da votação é de maioria absoluta, ou seja 50% dos condôminos + 1.
Para outros assuntos, se aplica a regra votação mínima de todos os presentes.

Ata de reunião de condomínio

A ata de condomínio é aquele documento que reúne todas as decisões de uma reunião de condomínio. Esse documento serve como comprovação do que foi deliberado pela assembleia. Também funciona como base para o trabalho do síndico. O responsável pela redação é o secretário de mesa, eleito ao início da assembleia geral.
A ata de condomínio deve ser feitas a partir das seguintes informações:

  • Nome do condomínio;
  • O tipo de assembleia (extraordinária ou ordinária);
  • Data, hora, local;
  • Nomes do presidente e do secretário de mesa;
  • Lista de todos os presentes na reunião;
  • Lista de pautas a serem tratadas;
  • Resumo das decisões tomadas em assembleia;
  • Informar se há quórum presente;
  • Folha com assinatura de todos os condôminos presentes no momento;
  • Assinatura do presidente e do secretário da mesa.

Assim como a convocação, a ata pode ser disponibilizada para conferência dos moradores nas áreas comuns, enviada por correspondência ou via internet. Se o imóvel conta com uma administradora de condomínio, a empresa pode ficar responsável pelo envio.
É a convenção de condomínio que determina o prazo para envio da ata aos moradores e se há necessidade ou não de registro em cartório.
Assembleias podem ser um tanto quanto assustadoras. Mas com estas dicas, você será capaz de manter a reunião de condomínio trtranquila, pacífica e sem estresse.

Facilite o trabalho durante a reunião de condomínio utilizando o nosso Modelo de Ata de Condomínio, totalmente gratuito!

Chamados, o livro de ocorrências do condomínio online

Chamados, o livro de ocorrências do condomínio online

A comunicação entre o síndico os moradores é um ponto chave na gestão bem sucedida de um condomínio. Isso acontece porque muito do andamento da gestão depende da comunicação e troca de informações para que haja aprovações e demais esclarecimentos, e um dos principais canais de comunicação ainda é o velho livro de ocorrências…

Mas, como um software pode melhorar a comunicação entre síndico e morador?

Vamos imaginar a seguinte situação:
Você é síndico de um condomínio com 100 unidades. Serão mais de 100 moradores que irão parar você no corredor, interfornar diversas vezes na semana, deixar recados com o porteiro, mandar correspondências.
Tudo bem, quem sabe essa frequência de queixas até não seja tão alta assim em um ou outro condomínio.
Mas concorda que gerir todas aquelas cem demandas, ou até mesmo mais, apenas com a memória é difícil, não é? Imagine então como não é para o morador que não tem o seu problema resolvido…

Livro de ocorrências do condomínio

Como comentado no post de comunicação em condomínio, o livro de ocorrências é uma forma muito utilizada para a comunicação entre condôminos e gestão do condomínio, para relatar dúvidas, sugestões e reclamações. Mas, imagine a seguinte situação:
* O morador chega no condomínio e vê uma infiltração na garagem
* Para relatar o problema é necessário voltar até a portaria e dizer o que aconteceu
*Você, síndico, só verá a reclamação quando passar na portaria para verificar o livro de ocorrências do condomínio, o que pode demorar mais do que esperado.
* Para saber qual o seu posicionamento, o morador precisa voltar na portaria e verificar o livro todos os dias
Pensando justamente em otimizar esse processo e facilitar tanto a vida do morador quanto do síndico, que o aplicativo TownSq tem o espaço com nome de Chamados.
Primeiro de tudo, vamos te mostra rapidinho como o Chamados funciona:

Nos Chamados, do TownSq, a solicitação do morador é PRIVADA, ou seja, somente quem abriu o chamado e a gestão enxergam e trocam mensagens. Essa é outra vantagem que o aplicativo traz, evitando com que as reclamações fiquem expostas a todos, vizinhos e porteiros, o que pode causar intrigas ou mal estar entre os moradores.

Agora, pense em mais um caso:

Na troca de gestão, para que você atualize o novo síndico com as solicitações resolvidas e pendentes, basta passar o acesso de síndico no TownSq para o novo Síndico. Viu como é fácil?
Bom, você já entendeu um pouco qual a logística do Chamados, certo?
Então, separamos mais cinco benefícios que o aplicativo pode trazer:
 1. Agilidade das ações
Tendo esse espaço centralizado em um livro de ocorrências digital para dialogar com o síndico, as reclamações e solicitações terão melhor visualização e a troca de informações será facilitada, o que torna mais rápidas as decisões a serem tomadas e os encaminhamentos do que foi enviado para o síndico.
 2.Organização das Informações
Ainda nos Chamados, as pendências do síndico ficam sempre visíveis para o mesmo, de forma que você nunca mais se esqueça de uma ocorrência dos moradores. Além disso, à medida que as ocorrências/chamados são resolvidas, elas são filtradas no sistema para você manter o histórico.
 3. Retorno e Transparência
O Alô Síndico dispõe da possibilidade de responder imediatamente na própria mensagem enviada uma resposta, que pode tanto ser de aprovação ou não de uma solicitação. Esse é um diferencial que permite ainda mais proximidade, e diminuindo a margem para desconfiança ou conflitos.
4. Economia de Tempo
Todo o processo de criar um chamado dentro do software para condomínios acontece de forma simples e rápida, não precisando esperar encontrar o síndico, ou ter dúvidas sobre qual email usar e dúvidas sobre se haverá resposta.
5. Mais participação dos moradores na gestão
A comunicação fica mais fácil, o que faz com que as pessoas possam sugerir e opinar mais na gestão de condomínio, um benefício que todos esperam. Assim, com o uso do software, a administração acontece de forma colaborativa, ágil e com muitos avanços e menos estresse.
A comunicação é maior desafio no relacionamento com as pessoas, por isso a falta dela pode gerar tantos conflitos. Um condomínio que possui uma boa gestão deve ter um síndico aberto, prestativo que está disposto a solucionar os problemas que aparecem e melhorar, cada vez mais, a convivência entre todos.

Ficou interessado nesse jeito inovador e eficiente de se comunicar em condomínio e eliminar o livro de ocorrências da portaria?

Solicite uma demonstração gratuita do TownSq e veja na prática como o Chamados funciona!